Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Pesquisa aponta João Paulo como o mais forte. João da Costa e Mendonça empatam

A primeira pesquisa do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN) sobre o cenário da sucessão eleitoral do Recife, em parceria com o Jornal do Commercio, reforça o dilema que o PT vive, hoje, dividido com a “briga dos Joões” – o prefeito João da Costa e o ex-prefeito e hoje deputado federal João Paulo –, ao mesmo tempo em que demonstra que os candidatos das oposições estão com dificuldades para ganhar a simpatia do eleitor. O de melhor performance entre os oposicionistas na  pesquisa é Mendonça Filho (DEM), em empate técnico com o prefeito.

No dilema do PT, o ponto mais impactante da pesquisa, montada em seis cenários de pré-disputa (veja quadros) e em várias tabelas do questionário intitulado Sentimentos dos eleitores, é que João Paulo é, disparado, o nome mais forte para a eleição. Embora ele dificilmente consiga entrar na disputa, já que o quadro considerado mais plausível por observadores e atores do cenário político estadual, hoje, seja mesmo o da candidatura à reeleição do prefeito João da Costa.

Em relação ao atual gestor, a pesquisa do IPMN, realizada nos dias 16 e 17 últimos (segunda e terça-feira), ouvindo 816 eleitores do Recife, tem dados que podem ser analisados como “positivos” e outros como “negativos”. O mais positivo é que, em confronto com os nomes colocados como pré-candidatos das oposições, João da Costa mantém-se competitivo – não na distância que o cenário coloca para João Paulo, quando o ex-prefeito é quem aparece como o nome do PT , este em larga vantagem –, sempre observando os quadros publicados nesta página.

Sem contar que, nos cenários sem o ex-prefeito João Paulo na disputa (ou seja, o nome do PT é João da Costa), o número de eleitores que dizem “não saber em quem votar”, que “não sabem ou não responderam” ou que sinalizam para o voto em branco ou nulo é muito alto. O que significa que todos podem crescer, inclusive o prefeito.
No lado “negativo” para João da Costa, destacam-se a rejeição forte ao nome do prefeito e a sua gestão – embora a performance tímida das oposições ajude o gestor e pré-candidato.
* O levantamento completo, com os seis cenários pe