Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Senador Fernando Bezerra defende que Congresso Nacional vote contas do governo e debata impeachment

 
Brasília, 17/11/15 – O agravamento das crises econômica e política levaram o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) à Tribuna do Senado, na tarde desta terça-feira (17), para defender que o Congresso Nacional vote, até o final deste ano, as contas do governo relativas a 2014 para, então, “aberta e constitucionalmente”, debater o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Na avaliação do senador, estes são passos fundamentais que o Brasil precisa dar para “enterrar o assunto”, sair da estagnação e permitir que o país supere as crises e retome os rumos do crescimento econômico.
“Isto não seria suficiente para recuperar o país; mas, é necessário para que possamos focar nossos esforços numa agenda que retire o país da trajetória de mais um ano de retrocesso e estagnação econômica”, destacou. “Provavelmente, muitos que desejam este debate votarão contra o impeachment e o Brasil enterraria o assunto. Qualquer uma destas duas alternativas deixará o país em uma posição melhor para enfrentar seu futuro. E deixará a presidente Dilma melhor na história do que ser a responsável pela continuação da marcha do país na direção de um colapso da economia, um retrocesso social e um caos político”, acrescentou Fernando Bezerra.
Ao chamar a atenção para a dimensão da crise econômica – que, na avaliação do senador, “pode ser muito maior do que alguns imaginam” – Fernando Bezerra Coelho pediu “iniciativa política”. “O governo, em um regime presidencialista, tem que ter um apoio mínimo e importante para poder cumprir a sua agenda e para poder ter força para enfrentar esta grave crise”, argumentou o senador, que foi ministro da Integração Nacional entre 2011 e 2013.
DESCREDIBILIDADE – Para o pessebista, uma das principais comprovações do agravamento das crises é a descredibilidade dos brasileiros não só em relação à economia