Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

“Sugerir a aprovação das contas de Dilma, após TCU recomendar a reprovação, é abrir a porteira a esculhambação fiscal”, reagiu líder do Dem, Mendonça Filho.

Para o líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho, é inaceitável o parecer do relator das chamadas pedaladas fiscais, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), defendendo a aprovação das contas de 2014 da presidente Dilma/PT, contrariando o TCU.  “Querer perdoar os crimes fiscais e os artifícios de crime de responsabilidade cometidos pelo Governo Dilma, após o TCU recomendar a reprovação por unanimidade, é aniquilar a Lei de Responsabilidade Fiscal e abrir a porteira para a esculhambação na gestão pública”, criticou, anunciando que o partido vai se mobilizar contra.
Na avaliação de Mendonça, a argumentação do relator de que 14 governadores não cumpriram a meta fiscal e não se pode criar jurisprudência é absurda.  “Inadmissível que para salvar Dilma, o TCU seja desmoralizado, a Lei de responsabilidade seja enterrada. O não cumprimento da meta fiscal é uma dos crimes cometidos pelo Governo petista”, afirmou Mendonça, citando as pedaladas fiscais, que foram atos ilegais cometidos para inflar projetos sociais e garantir a reeleição da presidente. “Isso é abuso do poder político e econômico”, completou.
O relator das pedaladas fiscais, senador Acir Gurgacz apresentou hoje à imprensa o seu relatório. As pedaladas fiscais são resultado de artifício usado pelo governo para atrasar repasses de recursos do Tesouro Nacional para bancos públicos como a Caixa Econômica, o Banco do Brasil e o BNDES, considerado crime. O TCU recomendou a reprovação das contas, por considerar que a presidente descumpriu no ano passado a Constituição e as leis que regem os gastos públicos. Como consequência disso, a União tem que pagar cerca de R$ 57 bilhões.

Cartão de Natal UPAE Garanhuns


UPAE Prof. Antônio Simão dos Santos Figueira
Rodovia BR 423 km 96,8 - Magano - Garanhuns - PE
Coordenação Geral: Dr. Gustavo Amorim
Fone: (87) 3764.9000

Os Depressivos do Natal

Flavio Melo Ribeiro (Foto: Arquivo Viver – Atividades em Psicologia)

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449 flavioviver@gmail.com (*)


O Natal movimenta toda a sociedade: o comércio aumenta, as viagens se intensificam, as confraternizações de fim de ano se misturam e principalmente as famílias se reúnem. Sem dúvida o Natal se caracteriza por comemorar o nascimento de Cristo no seio familiar e essa reunião faz pessoas viajarem centenas de quilômetros para se encontrar. Porém, nem todos os membros familiares mantêm laços fraternos entre si. Algumas famílias transpiram alegria ao se reunirem, mas reúnem desafetos que não se falam durante o ano. Para uma minoria, mas nem por isso raro, a expectativa de voltar a falar com quem não gostam chega a gerar depressão. A estes denomino “depressivos do Natal”.


Como é sabido, a depressão tem como sua maior característica a perda do futuro e a consequente falta de vontade. Nos depressivos do Natal, o gatilho que dispara o processo é a antecipação do desagrado que sentirá ao se reunir com familiares que não gostaria nem de encontrar. Começa a imaginar as cenas que passará, chega a “escutar” os comentários que considera chatos e desagradáveis. Aqui não se enquadram as pessoas que apenas ficam chateadas de encontrar algum parente que não se dá bem, mas as que entram num processo depressivo. Às vezes, ficam tão abatidas que não conseguem ir às festas natalinas, ou, quando vão, fica nítido o estado depressivo em que se encontram. Geralmente mobilizam os parentes mais próximos que se preocupam e de alguma forma procuram atender algumas necessidades básicas.


O comum nesses casos é que os problemas iniciaram há muitos anos e de alguma forma a pessoa não conseguiu enfrenta-los e resolvê-los. Procura, equivocadamente, se anular para eliminar o problema ou, pelo menos, não precisar conviver com o desafeto. Prejudica a si mesmo ao abdicar viver por não saber lidar com um problema, por sentir-se frágil para enfrenta-lo. O importante é identificar o processo depressivo e procurar ajuda para encarar os problemas que ela vai se deparar. Buscar estratégia que lhe possibilite, no mínimo, buscar seu espaço no núcleo familiar e aproveitar as festas natalinas.

Interessante que esse estado, embora apresente comportamento preocupante, tende a não perdurar até o Réveillon, caso deixe de encontrar os ditos parentes. O próximo artigo será sobre os otimistas do ano novo.


Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449 A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual. flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386 Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia

Ipojuca ganha nova via local nesta quarta-feira (23)


A partir desta quarta-feira (23) o município de Ipojuca, litoral sul do Estado, ganhará uma importante obra que beneficia a mobilidade urbana na região. Uma nova Via Local, paralela à rodovia PE-60 foi construída com o objetivo de melhorar a circulação interna na cidade, além de aumentar a segurança da população, diminuindo a interferência do trafego local na PE 60. A inauguração será às 18h e contará com a presença do prefeito Carlos Santana. A obra é uma realização da Prefeitura do Ipojuca, através da Secretaria de Infraestrutura.

A nova Via Local possui 740 m de extensão. Com o novo acesso, os motoristas e moradores do distrito de Ipojuca-Sede não precisarão mais usar a PE-60 como principal rota para retorno ao município. A obra contou com os serviços de drenagem, pavimentação em asfalto, implantação de nova iluminação pública, paisagismo, sinalização, estacionamento, lixeira e calçadão. Também foram instaladas novas paradas de ônibus para as linhas que utilizam a rodovia estadual como rota. 

SENTIDO 
40 km. Essa será a velocidade máxima permitida para circulação de veículos na nova Via Local. Haverá trechos em que 20km será o permitido. Tudo estará sinalizado e agentes de trânsito orientarão a população e transeuntes da localidade. O sentido será mão dupla. Quem entra na cidade poderá utilizar a Via Local para acessar o Complexo Educacional ou o Centro. Já quem estiver no distrito sede e quiser retornar ao município utilizará a via Local como percurso.

Mensagem de natal OAB Pernambuco

"A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem: a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las" 

Bombeiros civis auxiliam combate ao Aedes aegypti no Paulista



O reforço contra o Aedes aegypti ganhou mais um aliado em Paulista. A partir desta terça-feira (22.12), 50 Bombeiros Civis passam a fazer parte da força tarefa da Secretaria de Saúde do município contra o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. Após três encontros para treinamento teórico, os voluntários foram às ruas acompanhados dos agentes de endemias da cidade para aprender como é feita a abordagem aos moradores durante o trabalho de eliminação dos focos do mosquito.



A ação foi realizada no bairro de Maranguape II, local com maior número de notificações de dengue no Paulista. Após a abordagem porta a porta na localidade, bombeiros civis e agentes de endemias do Paulista seguem com a ação para os bairros de Engenho Maranguape, Janga, Jardim Paulista e Paratibe. Essas localidades concentram a maior parte dos casos de dengue e chikungunya no município.


De acordo com o superintendente de Vigilância à Saúde do município, Fabio Diogo, o efetivo dos voluntários gera um incremento de 50% na equipe da Prefeitura e agiliza os trabalhos de combate aos focos do Aedes com a colocação de larvicida biológico. “Agora nós podemos terminar um bairro mais rapidamente e seguir para o próximo e assim combater essa epidemia de maneira mais eficiente”, pontuou.

Após receber a visita parceira dos agentes e bombeiros civis, o autônomo Jacksson Maciel, 49 anos, elogiou a ação e disse que apesar de tomar todos os cuidados para evitar focos do mosquito ainda descobriu que havia mais para ser feito. “O pessoal explicou que ainda tinha que tomar alguns cuidados que eu não sabia, como que na tampa da lata de tinta pode juntar água. Mas eu mantenho tudo vedado, meu quintal limpo. Essa ação é muito importante, não acredito que alguém vá criticar um trabalho desses”, comentou ele que mora em Maranguape II há três anos.

Já o motorista Givaldo Luiz da Silva, 59 anos, contou que por causa dessa epidemia teve que esvaziar uma piscina de plástico que havia no quintal para evitar criar focos do Aedes aegypti. “Estou achando isso tudo ótimo porque quanto mais prevenir melhor. Não sei como um mosquito desse faz tanto estrago. Tomara que todo mundo abra as portas de casa para que a prefeitura possa fazer seu trabalho”, ressaltou Givaldo que reside na localidade há 34 anos.

No Paulista, o combate ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika está sendo reforçado pela Secretaria de Saúde do município com aumento no número de visitas a locais específicos como cemitérios, borracharias e ferros-velhos. Além disso, o inseticida conhecido como Fumacê, que mata os mosquitos na fase adulta, voltou a ser aplicado nas áreas endêmicas.

Cuidados com os olhos devem ser redobrados no verão


Da proteção contra os raios ultravioletas às doenças infecciosas, é preciso ter cuidado redobrado com os olhos durante essa época do ano.
Dezembro, férias e muito sol. Assim é o verão para muitas crianças e adultos que ganham semanas inteiras de descanso e lazer. Nessa época, é muito comum lembrar dos cuidados necessários com a pele e o cabelo, porém, pouco se fala nos olhos. Por isso, é importante ficar atento a alguns detalhes para que a visão não seja prejudicada durante esse período.
Para quem gosta de visitar o litoral, atenção com a areia da praia. Ela pode trazer perigos, a exemplo da contaminação por toxocaríase. A oftalmologista Dra. Liana Ventura, do Hospital de Olhos de Pernambuco (Hope), explica que a doença é transmitida por contaminação através de gatos ou carnes cruas, podendo também ser contraída na praia, caso a areia esteja infectada por fezes de animais. “O toxoplasma gondii tem especial atração pela retina e cérebro, podendo causar baixa visual e calcificações cerebrais, convulsão”, diz.
Na hora de utilizar o protetor solar, é preciso evitar que o suor, banho de mar ou de piscina façam com que o líquido caia no olho. "Nesses casos, além da ação solar, pode haver uma queimadura química ocular”, explica Dra. Liana.  Outro fator que pode desencadear esse tipo de lesão é a exposição excessiva ao cloro da piscina. Um conselho também é nunca mergulhar utilizando lentes de contato, pois pode haver uma contaminação por Acantamoeba. “Em situação alguma este uso é permitido. E o ideal é que, além de retirar a lente, faça-se uso dos óculos de mergulho”, avisa.
E, claro, o uso dos óculos escuros que, mais do que um artigo de beleza, deve ser utilizado como protetor. “Quanto mais cedo a criança for estimulada a usar óculos escuros, melhor. Isso porque doenças relacionadas ao sol geralmente só se manifestam depois de muitos anos.” Óculos escuros inadequados, entretanto, sem a devida proteção dos raios ultravioleta, são contraindicados. A pupila tem a finalidade de regular automaticamente a quantidade de luz que entra nos olhos, quando a pessoa é exposta a ambientes claros e escuros. Em ambientes ensolarados, os óculos de sol de qualidade, adquiridos em óticas reconhecidas, têm proteção às radiações solares e bloqueiam a entrada excessiva da luz, protegendo o olho.
Quando se utiliza aqueles comprados sem o selo de proteção ultravioleta, com preços consideravelmente baixos e fora de óticas certificadas, a pupila é “enganada” pelo ambiente escuro proporcionado pelos óculos. Sem a proteção, a pupila não faz a regulagem. O resultado é que a visão fica desprotegida e os olhos recebem uma quantidade de luz até maior do que entraria se a pessoa estivesse sem os óculos, podendo causar sérios prejuízos à saúde ocular.
Também é indicado o uso de lubrificantes oculares, como os colírios. No período de férias, com o aumento do uso de computadores e vídeo games, a atividade de piscar fica reduzido e os olhos, consequentemente, mais secos. “É aquele caso do menino que nem pisca para o boneco não morrer. Só é preciso atenção para utilizar apenas lubrificantes receitados pelos especialistas”, fala.

Pedro Falcão, Reitor da UPE, recebe título de Cidadão de Salgueiro‏


A Câmara de Vereadores de Salgueiro aprovou, por unanimidade, a concessão do título de Cidadão Salgueirense ao Reitor da Universidade de Pernambuco (UPE), Prof. Pedro Henrique de Barros Falcão. A outorga do título acontece nesta terça-feira (22/12), às 17h30, no Talismã Clube.

O requerimento foi do vereador Hercílio Carvalho, que entendeu que os relevantes serviços do ex-gestor do Campus da UPE em Garanhuns, Caruaru, Salgueiro, Arcoverde e Serra Talhada foram imprescindíveis para os avanços nos últimos anos do ensino superior naquele município.

"É uma honra poder receber uma homenagem de uma cidade com a importância e a história de Salgueiro, e diante disto, já nos comprometemos em trabalhar ainda mais para atender aos anseios daquelas pessoas", declarou o Reitor.

Partido Verde encerra ciclo 2015 do Recife Bom para Viver



10ª caminhada atestou fortemente a problemática das cheias no Ibura e os moradores fazendo o papel do poder público
Encerrando o ciclo de caminhadas de 2015, iniciado em setembro deste ano, o Partido Verde (PV-PE), sob o comando do presidente estadual, Carlos Augusto, comandou a 10ª etapa do Recife Bom para Viver. O projeto, que busca recolher sugestões de melhoria para a Cidade e percorrer as 18 microrregiões da capital, contemplou a Microrregião 6.2 – que envolve os bairros do Ibura e Jordão, no último sábado (19).

A iniciativa encontrou problemas semelhantes nas localidades, mas também ações dos moradores no sentido de melhorar a vida da população desses locais. Entre as propostas, está a apresentada pelo locutor Alexandre de Castro, para minimizar os problemas da ausência de saneamento básico adequado, na Rua da Aviação no Ibura, que consiste de caixas de cimentos para dejetos implantadas ‘ao pé’ dos muros de algumas casas.  Embora não sejam tratados, os esgotos são canalizados para longe das ruas.

Logo depois, já na antiga Rua da Azeitona, assim chamada porque havia muitas árvores da fruta, o mestre de obras Antônio Luiz de Souza - morador local há mais de três décadas - ,  também está fazendo o seu próprio esgoto caseiro, já que não dispõe de local adequado para descarte de resíduos. “A situação desta rua já é muito complicada devido aos alagamentos”, explica, entre um e outro avião que passa rente aos telhados das casas a cada cinco minutos.

“Se formos despejar esse material na lama, as condições de moradia vão piorar”, acrescenta.  Ele tem levado a orientação aos demais moradores para que todos possam evitar que os esgotos sejam jogados nas ruas.

Em meio aos sete quilômetros percorridos pelo Recife Bom pra Viver, no último fim de semana, ficou claro que um dos maiores problemas enfrentados pela população são as cheias. Uma das vítimas desse processo é a aposentada dona Regina Avelino Ramos, de 76 anos. Com sua residência localizada nos fundos do canal do Moxotó, ela sofre com as enchentes, pois as casas que aluga – entre as quais a que vive a filha e o marido que se recupera de um AVC – , são inundadas pelas águas imundas do canal, devido aos problemas de drenagem da estrutura.

Sobre o problema, o engenheiro florestal Josemario Lucena sugere um caminho para equacionar o problema: “Tem que desassorear e revestir as laterais com concreto e, se possível, mantê-lo limpo”, defende o especialista.

Se no Ibura o problema das cheias é uma constante, no bairro do Jordão o lixo na rua e nos canais predomina sobre a paisagem. O pior exemplo na ladeira conhecida por “Caldo de Cana”, na Rua Francisco Beltrão, onde o esgoto jorra em meio às águas pluviais.