Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Pesquisa pernambucana ganha prêmio nacional

Uma pesquisa inédita, idealizada pelo cirurgião plástico Marcelo Borges, coordenador do SOS Queimaduras e Feridas do Hospital São Marcos | Rede D'Or, foi reconhecida como o melhor trabalho médico no X Congresso Brasileiro de Queimaduras, realizado em Salvador (BA), este mês.

O prêmio Nelson Piccolo foi concedido pela Sociedade Brasileira de Queimadura pelo uso da pele de tilápia como curativo biológico oclusivo, no tratamento de queimaduras. “Esse prêmio é o reconhecimento da comunidade científica brasileira sobre a necessidade do país passar a utilizar uma cobertura biológica de origem animal no tratamento das queimaduras e feridas. Uma dívida tecnológica que perdura por 50 anos e que agora está sendo quitada. Já temos vinte pacientes tratados, todos com excelentes resultados", avaliou Dr Marcelo.

A pesquisa, desenvolvida no Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), da Universidade Federal do Ceará (UFC), também deverá ser apresentada no 39° John Boswick Burn and Wound Care Symposium (Hawaí, de 12 a 16 de fevereiro de 2017). “O convite foi feito pessoalmente pelo Chairman do evento, o Dr. Paul Glat, que assistiu a apresentação no congresso de Salvador”, explicou o médico.

Esse projeto inédito também está dando oportunidade aos alunos da Faculdade de Medicina de Olinda de acompanhar a pesquisa pioneira. É a primeira vez na história que pesquisadores utilizam pele de peixe para tratar essas lesões. Tentativas já foram feitas com outros animais. Sabe-se que apenas um por cento da tilápia destina-se à matéria-prima para o artesanato, sendo os 99% comercializados in Natura.

O uso da pele da tilápia, umas das principais espécies de peixe de água doce do Brasil, como curativo biológico e temporário (enquanto ocorre a cicatrização), começou a ser pesquisado há quatro anos pelo cirurgião plástico que levou a ideia para o Ceará. Ele contou inicialmente com a ajuda do Instituto de Apoio ao Queimado, presidida pelo cirurgião plástico e pesquisador, Edmar Maciel, que viabilizou o financiamento do estudo, através da Coelce (Companhia Energética do Ceará). A equipe que hoje desenvolve o trabalho visitou pisciculturas no Açude Castanhão, na Região do Jaguaribe, naquele estado, a fim de analisar como a tilápia é criada e quais são os cuidados locais necessários para a sua aplicabilidade médica.

O estudo em Fortaleza revelou que a pele humana e a do peixe são semelhantes em aspectos importantes, como a resistência, a umidade e quantidade de colágeno existente.


*Foto: Pesquisadores Marcelo Borges, Edmar Maciel e Nelson Piccolo

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.