Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Rádio Nova FM: Programa Sábado Show (Módulo Literário) recebe poeta e jornalista Marcelo Mario de Melo



O jornalista e poeta Marcelo Mario de Melo será entrevistado, amanhã, às 7h, no Programa Sábado Show  - Módulo Literário, da Rádio Nova FM 106,3. Apresentado ao vivo por Eduardo Garcia, você pode ouvir através da internet, smartphone, tablet ou IOS no http://www.novafmrecife.com.br.

O aplicativo da Nova FM Recife, disponível na loja Play Store do Google, é outra alternativa. Não perca, participe e faça sua pergunta.

 Transmissão ao vivo
Programa Sábado Show  - Módulo Literário
Sábado, dia 17 de dezembro de 2016.
Horário: 7h
Apresentação: Eduardo Garcia




Conheça mais a história de Marcelo Mario de Melo




Marcelo Mário de Melo

Jornalista nascido em Caruaru, residente em Recife desde os 9 anos. Escreve poemas, histórias infantis, minicontos, textos de humor, para teatro, e  notas críticas. Considera-se um artesão-aprendiz de literavida e escreve dentro do espírito de que o homem é um animal político e o político é um animal humano.

Publicou:
. Os Quatro Pés da Mesa Posta (poesia)
. Manifesto Masculinista (humor)
. Entre Teias e Tocaias (perfil parlamentar de David Capistrano/pai, ex-deputado de Pernambuco e desaparecido político a partir de 1973
. Manifesto da Esquerda Vicejante Mais Textos e Poemas
. Perfil Parlamentar de Josué de Castro
. Folhetos de Cordel - A História do Poeta que Sonhava Ser Bancário; Por que, Porquê, ...Porque, Porquê - Vamos Aprender a Usar, entre outros
. Participa de diversas antologias poética.
Na década de 80, no Recife, foi redator e editor do jornal O Povão, participou da fundação da Equipe de Comunicação Sindical – Ecos, exercendo a chefia de redação, e atuou no tabloide O Rei da Notícia com artigos e entrevistas.
Foi diretor de Ações Culturais da Fundação de Cultura Cidade do Recife, presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, diretor da Coordenadoria e da Diretoria de Cultura da Secretaria de Educação de Pernambuco, presidente da Fundação de Cultura de Caruaru, diretor de Ações Culturais da Fundação de Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – FUNDARPE.
Foi assessor de imprensa da Fundação de Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, dos deputados estaduais Jorge Gomes e João Paulo, do deputado federal Fernando Lyra, e redator da Makplan – Marketing e Planejamento.
Atuou na coordenação do Grupo de Acompanhamento Constituição Estadual de Pernambuco e no Grupo de Articulação Cidadania Popular, organizados pelo Fórum das Organizações Não-Governamentais e voltados para a elaboração da Constituição Estadual de Pernambuco, da Lei Orgânica e do Plano Diretor do Recife.

Política
Integrou-se ao PCB aos 17 anos de idade, foi fundador do PCBR em 1968, atuou na clandestinidade, teve a prisão preventiva decretada em 1970 e foi preso político em Pernambuco de março de 1971 a abril de 1979. Filiou-se ao PT em 1980, desfiliou-se em 1990 e reintegrou-se em 1994, sem ter se ligado a nenhum outro partido no intervalo, o que equivale a um segundo casamento com a mesma mulher.
Politicamente identifica-se como plebeu, republicano, democrata-popular, cidadão de esquerda, socialista, pluralista e seguidor do Detran - sempre à esquerda, não ultrapasse pela direita.
Entende que a função do militante político, do intelectual, do artista e do profissional é ajudar o povo a viver e conviver melhor, lutando contra a fome, o raquitismo político, a subnutrição cultural e a corrupção visceral, os desníveis de renda e os desníveis de mando. É favorável a uma radical redução das hierarquias em todas as instâncias da vida.
Considera o eleitoralismo uma das mais perniciosas e recorrentes mazelas da esquerda brasileira e participa de campanhas eleitorais com acentuado senso crítico, seguindo o lema: Dê Voto Sem Ser Devoto.
Alerta, entre os militantes políticos alinhados à esquerda, sobre os malefícios dos cinco D: Desencanto, Desinteresse, Desmobilização, Decadência e Direitização, que podem ser ativados pela tendência a vincular os prazos do processo histórico, contados por décadas e séculos, aos prazos da biografia individual, somados ano a ano.
Defende uma militância com poesia, prazer, amizade e humor. E uma esquerda com raízes, caules, folhas, flores e frutos.

Definições gerais
Tem três referências fundamentais na vida:
a esperança crítica - nem otimismo nem pessimismo, o o real tal qual viceja ou apodrece;
a megalomania moderada - grandes projetos com um redutor;
o narcisismo com espelho retrovisor - para que todos possam ver a própria cauda.
Sendo plebeu e republicano, define-se como materialista e ateu por uma razão essencialmente política: os seguidores do Altíssimo querem implantar na terra o Reino de Deus e não lhe é aceitável essa forma de governo.
Considera-se um poeta materialírico e entende que o exercício da palavra poética não deve ser transformado numa nova modalidade de culto.
Vê a poesia como uma espiral-arco-íris de portas abertas andantes, envolvendo os mergulhos introspectivos, a vida social e as viagens cósmicas.
Com relação a verdades absolutas e inquestionáveis, acredita que a terra roda.

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.