Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

França e Alemanha lamentam execução de clérigo xiita

Da Agência Brasil*
A França e a Alemanha lamentaram hoje (3) a execução do clérigo xiita Nimr Baqir al-Nimr pela Arábia Saudita, em um episódio que gerou violência em vários países do Médio Oriente e que pode levar a nova escalada de tensões entre sunitas e xiitas.
Nimr al-Nimr, que passou mais de uma década estudando teologia no Irã e foi um dos organizadores dos protestos xiitas contra o governo saudita desde 2011, foi um dos 47 xiitas e sunitas executados no sábado (2) na Arábia Saudita, tendo a sua morte provocado violentos protestos no Irã.
O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, em comunicado, disse que "lamenta profundamente" a execução de 47 pessoas na Arábia Saudita no sábado, entre as quais o líder religioso xiita, reiterando que continua a ser contra a pena de morte em "todos os lugares e em todas as circunstâncias".
A França, que é um aliado próximo da Arábia Saudita, apelou aos responsáveis da região para que "façam tudo para evitar a exacerbação das tensões sectárias e religiosas".
Alemanha
A Alemanha também reagiu por meio  do porta-voz do seu Ministério dos Negócios Estrangeiros. "A execução de Nimr Baqir al-Nimr fortalece a nossa atual preocupação com a crescente tensão (...) na região".
Londres não condenou diretamente a execução de Nimr Baqir al-Nimr, declarando apenas por meii do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros a oposição do Reino Unido à pena de morte "em todas as circunstâncias e em todos os países".
O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse estar "profundamente consternado" com a execução de 47 pessoas na Arábia Saudita e apelou à calma nas reações à morte do líder religioso xiita, segundo o porta-voz da ONU.
Protestos violentos
A morte do líder religioso xiita provocou violentos protestos contra a embaixada da Arábia Saudita em Teerã e na Praça Palestina que reuniram cerca de mil pessoas na capital iraniana. O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, advertiu que a Arábia Saudita vai sofrer uma