Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Uma série de fatores influenciou no acidente que matou Eduardo Campos

Diario de Pernambuco

Indisciplina, falta de treinamento, cansaço da tripulação, além das condições climáticas desfavoráveis, estão entre as causas apontadas para a queda do Cessna Citation 560 XLS+. O relatório final da investigação foi apresentado nesta terça-feira, em Brasília, pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). O acidente, que aconteceu em 13 de agosto de 2014, vitimou o ex-governador Eduardo Campos, quatro pessoas de sua equipe e os dois pilotos.

De acordo com o tenente-coronel Raul de Souza, encarregado da investigação, as condições metereológicas influenciaram para o acidente. Durante o voo, o tempo mudou. Desde a saída da aeronave do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, até a chegada em Santos a visibilidade havia sido reduzida em 5.000 metros, passando de 8.000 metros para 3.000 metros. "É provável que a tripulação não tenha acessado as condições metereológicas entre a decolagem e a descida", afirmou Raul de Souza.


O tenente-coronel ainda apontou a indisciplina da tripulação na hora da aproximação em Santos. De acordo com o responsável pela investigação, a aproximação foi feita fora do padrão previsto, já que a tripulação indicou que havia feito um procedimento, mas não havia realizado tal manobra. Pode ter pesado também a falta de experiência da tripulação para este tipo de aeronave, já que ela não tinha treinamento específico para o Cessna Citation 560 XLS+ e, sim, para o modelo anterior e não conseguiu arremeter de forma padrão.

Com pouca visibilidade, a tripulação realizou manobras que podem ter causado o desnorteamento dela. "Quando o piloto está desnorteado, o avião pode estar descendo e ele acreditar que está subindo. Ou está indo para a direita e ele acredita que está indo para a esquerda", explicou Raul de Souza. Outro ponto detalhado foi a possível fadiga da tripulação. Entre os dias 1º e 5 de agosto de 2014, o piloto e o copiloto haviam extrapolado o limite de tempo de trabalho previsto na lei. E o relatório mostra que a análise da voz do copiloto indica fadiga.

A investigação apurou ainda que o avião foi transferido para um grupo empresarial de Pernambuco e que estava à disposição da campanha presidencial de Eduardo Campos. Outro fato é que não houve seleção para a contratação da tripulação e que não existia contrato formal com o piloto e copiloto.

Três vídeos foram apresentados, sendo dois inéditos, e indicam que o avião não estava pegando fogo na hora da queda, como foi cogitado anteriormente. Uma falha apontada pelo relatório é que a última gravação feita pelo sistema da aeronave foi no dia 23 de janeiro de 2013. Segundo a investigação, o trem de pouso estava recolhido, as conchas dos reversores estavam fechadas, os cabos de comando rompidos por sobrecarga, flaps e speedbrakes recolhidos.

Para a família
O relatório final foi apresentado para os familiares das vítimas do acidente antes de ser liberado para a imprensa. Nesta quarta-feira, às 9h30, a Associação Brasileira de Parentes e Vítimas de Acidentes Aéreos vai apresentar um relatório alternativo, em São Paulo.

A ex-primeira-dama Renata Campos embarcou hoje para a capital federal, juntamente com os filhos João Campos e Maria Eduarda, para acompanhar a coletiva. As jornalistas Cecília Ramos e Ana Braga, respectivamente viúva e irmã de Carlos Percol (assessor de imprensa de Campos) e Rita Regina, mãe do fotógrafo Alexandre Severo, também foram para Brasília.

Um relatório preliminar, apresentado pelo Cenipa há quase um ano, apontou indícios de falha humana como possível causa da tragédia. Um dos questionamentos feitos na época foi se os pilotos, Geraldo Magela e Marcos Martins, tinham treinamento específico para pilotar a aeronave.

O acidente
Na manhã do dia 13 de agosto de 2014, a aeronave que transportava o ex-governador Eduardo Campos e sua equipe caiu no bairro do Boqueirão, em Santos, em plena campanha presidencial. Além de Campos e dos pilotos, morreram Carlos Percol (assessor de imprensa), Alexandre Severo (fotógrafo), Pedro Valadares Neto (assessor) e Marcelo Lyra (fotógrafo). A tragédia mudou o cenário político naquele ano, alçando a então candidata à vice-presidente, Marina Silva (Rede), à disputa direta pela Presidência da República.

Secretaria de Saúde e RedeNutes capacitam profissionais sobre a microcefalia

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) e a Rede de Núcleos de Telessaúde de Pernambuco(RedeNUTES) promovem, nos dias 20 e 27 deste mês, dois seminários de capacitação sobre a microcefalia, com o objetivo de prestar esclarecimentos e orientar os profissionais de saúde do Estado quanto aos procedimentos na identificação de novos casos. A ação surge num momento em que Pernambuco aparece na frente dos outros Estados  brasileiros na identificação e alteração do padrão da ocorrência de registros de microcefalia em recém-nascidos.
De acordo com a enfermeira Débhora Ísis, assistente de tele-educação da RedeNutes, a expectativa é que essa iniciativa contribua para a instrumentalização dos profissionais de saúde e que os torne aptos a tranquilizar as gestantes e as mulheres em período fértil  e sanar as eventuais dúvidas da população quanto à doença. "Queremos também que esses profissionais sintam-se mais seguros ao receber em sua unidade uma criança com microcefalia e realizem o devido acompanhamento, tendo as próprias mães como parceiras", afirma Débhora.
COMO PARTICIPAR – Os seminários serão transmitidos por webconferência através do endereço da RedeNutes. Para assistir, os interessados deverão acessar o site nos dias e horários indicados e entrar na sala virtual onde estará acontecendo a transmissão. Não há necessidade de inscrição prévia, mas o acesso está sujeito à disponibilidade de vagas na sala.
O horário previsto para as duas sessões é das 11h às 12h e ambas serão conduzidas pela ginecologista e obstetra Juliana Schettini.
Calendário

20 de Janeiro – Assistência obstétrica e puerperal no envolvimento da microcefalia
27 de Janeiro – Tríplice epidemia - dengue, zika e chikungunya: prognóstico e processos de reabilitação, protocolo de atendimento e sistema de notificação da microcefalia

Mais informações
contato@nutes.ufpe.br


Inscrições para candidatos ao Projeto Interação vão até o dia 29

Estudantes interessados em participar do curso gratuito de apoio ao pré-vestibular do Projeto Interação têm até o dia 29 de janeiro para fazer a inscrição, no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) da UFPE. O horário é das 9h às 12h e das 14h às 17h. Após as inscrições, os candidatos serão submetidos a uma prova de seleção a ser realizada no dia 14 de fevereiro, das 13h às 17h.

Só podem se inscrever os candidatos que tenham estudado ou estejam estudando todo o ensino médio na rede pública de ensino ou que tenham tido bolsa integral em escola particular, podendo comprovar no ato da inscrição, quando será necessário pagar R$ 10,00 e apresentar cópia do RG e da Ficha 19.

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE



Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449 

Semana passada foi postado o artigo “O Sonho e O Planejamento”, em que foram mostradas as principais diferenças entre quem faz e quem constrói. Uma das diferença é manter o foco para construir. Mas como fazer isso? Visto que o comum é perder o foco diante das situações urgentes que surgem no dia-a-dia durante o ano, existem alguns cuidados que ajudam, e muito, a realizar o que foi planejado. A primeira ação necessária é definir um objetivo que seja significativo, algo em que realmente a pessoa quer estar no futuro. Portanto, separe o que é desejo seu dos de quem está contigo. Você não conseguirá manter o foco diante das dificuldades se o projeto é do outro. Esse objetivo precisa ser definido no cérebro, mas sentido no coração. A pessoa precisa sentir-se envolvida em seu projeto. 
O segundo ponto é acreditar no seu próprio projeto. Para isso, ele precisa estar baseado em dados reais e possíveis de ser realizado. Não pode ser tão fácil que não motive, nem tão difícil que desmorone o otimismo. Precisa apresentar um grau de dificuldade que seja um desafio motivador.  O terceiro cuidado é ter disposição para resolver os problemas que surgirem no decorrer da construção em vez de desistir. Apresentar a postura de resolução de problemas é fundamental, pois diminui o sofrimento de enfrentar as dificuldades. 
Um dos pontos mais importantes e um dos primeiros a naufragar para manter o foco: assumir responsabilidade pelos seus erros. Na realização de um projeto é comum haver ações equivocadas que precisam rapidamente ser corrigidas, preferencialmente sem lamentações e sem colocar a culpa em ninguém. Profissionalmente, vejo meus pacientes relatando os infortúnios e ao mesmo tempo colocando a culpa em alguém ou em algum fato. Isso, além de não ajudar a resolver o problema, faz a pessoa desistir de seus projetos. Assumir responsabilidade em um projeto é aprendizado do que não se deve fazer e exercício mental de busca de nova alternativa. Isso faz o cérebro trabalhar! Por último, pagar o preço de realizar-se ao concluir o projeto. É gratificante concluir algo que se almejou com o coração, mas com certeza exigiu sacrifício, esforço e, muitas vezes, recursos financeiros. Mas quando cito pagar o preço pelo sucesso me refiro a lidar principalmente com os invejosos que não aceitam tuas vitórias. É comum as pessoas dizerem que você conhece os amigos nas dificuldades. Pois eu digo que você realmente conhece os verdadeiros amigos no sucesso, quando você percebe que a sinceridade da parte deles. Semana que vem será postado um artigo sobre inveja. 

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449