Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Dólar volta a ultrapassar R$ 4 e fecha no maior nível em três semanas

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
 
Num dia de oscilações no mercado financeiro, a moeda norte-americana voltou a ultrapassar R$ 4 e fechou no maior valor em três semanas. O dólar comercial encerrou esta terça-feira (16) vendido a R$ 4,071, com alta de R$ 0,074 (1,86%). A cotação está no maior valor desde 28 de janeiro (R$ 4,08).
A cotação operou em alta durante toda a sessão, mas disparou a partir das 13h. A divisa acumula alta de 1,14% em fevereiro e de 3,1% em 2016.
Na Bolsa de Valores, no entanto, o dia foi de recuperação. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou o dia com alta de 2,13%, aos 40.948 pontos. Apesar de as ações da Petrobras terem caído, as ações da mineradora Vale subiram 7,42% (papéis ordinários) e 8,25% (papéis preferenciais).
Nas últimas semanas, as commodities (bens primários com cotação internacional) têm caído fortemente por causa de dados que mostram a desaceleração da economia chinesa. No caso do petróleo, o problema é agravado pela resistência de países em reduzir a produção.
O preço do barril de petróleo tipo Brent, que tinha ultrapassado US$ 33 nos últimos dias, voltou a cair hoje para US$ 32 após a notícia de que o Irã não pretende aderir ao acordo para manter a produção nos níveis em que vigoravam as sanções econômicas.
A retração da China, a segunda maior economia do planeta, prejudica países exportadores de commodities, como o Brasil, porque reduz a demanda global por matérias-primas e produtos agrícolas. Com as exportações mais baratas, menos dólares entram no mercado brasileiro, empurrando para cima a cotação da moeda norte-americana.

* Com informações da Agência Lusa
Edição: Fábio Massalli

Pesquisadora anuncia descoberta de vírus que afeta sistema nervoso central

Bianca Paiva - Correspondente da Agência Brasil
 
 
Um vírus encontrado em Manaus acende um alerta para a falta de saneamento básico no Amazonas e em outras regiões do país. O Gemycirculavirus foi descoberto em uma pesquisa feita em amostras de exames de crianças de até 10 anos acometidas por diarreia, que foram atendidas nos hospitais da capital amazonense.
Além de diarreia, o vírus pode causar paralisia temporária das pernas e afetar o sistema nervoso central.

Segundo a pesquisadora da Fiocruz Amazônia, Patrícia Puccinelli Orlandi, é a primeira vez que o vírus é encontrado no Brasil. Segundo Patrícia, 500 amostras de exames foram enviadas para o pesquisador Tung Phan, da Universidade da Califórnia, com o qual a instituição mantém colaboração. "Ele fez o teste para o vírus. E aí acabamos descobrindo um novo vírus, que é o Gemycircularvirus que estava acometendo 1% das fezes diarreicas dessas crianças. De 500 amostras, identificamos [o vírus] em cinco.”

A pesquisadora ressaltou que, apesar de ter sido descoberto em Manaus, o vírus pode estar presente em outras regiões do país. Fora do Brasil, o vírus foi identificado em países pobres como Sri Lanka, Índia e Camboja.

O Gemycircularvirus é transmitido pelo consumo de água contaminada com fezes portadoras do vírus. Por isso, afirma Patrícia, a falta de saneamento básico em várias regiões brasileiras é preocupante. “Eu acho que é um problema de todo o Brasil, mas é acentuado demais nas regiões Norte e Nordeste. Na Região Norte, temos de 7% a 10% de saneamento básico somente. Este é o agravante principal das doenças de transmissão hídrica, porque – está comprovado em estudos – se houver saneamento básico, os casos de diarreia são reduzidos em 80%.”

A pesquisadora informou que pretende criar uma metodologia capaz de identificar o Gemycircularvirus e outros vírus e disponibilizá-la para os hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS).

Agricultores de MG perderam R$ 23 milhões com rompimento de barragem em Mariana

Maiana Diniz – Repórter da Agência Brasil
A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) estima um prejuízo de R$ 23,2 milhões nas 195 propriedades rurais mineiras atingidas pela lama de rejeitos de mineração da barragem de Fundão, que rompeu no dia 5 de novembro em Mariana (MG). Os dados fazem parte de um estudo divulgado hoje (16) pela Emater.
Mariana (MG) - Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na última quinta-feira (5). Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O estudo da Emater também aponta que 216 construções foram afetadas, causando R$ 5,2 milhões de prejuízoAntonio Cruz/ Agência Brasil
O levantamento foi feito a partir de visitas técnicas entre novembro de 2015 e janeiro deste ano. Foram avaliados os impactos do desastre em 95% das propriedades rurais atingidas nos municípios mineiros de Barra Longa, Mariana, Ponte Nova e Rio Doce, onde moravam cerca de 295 pessoas. Do total, 97% das propriedades atingidas estão em Barra Longa e Mariana.
De acordo com o estudo, a área rural de Barra Longa foi a mais afetada, com 136 propriedades atingidas e prejuízo de R$ 15,3 milhões. Em seguida vem Mariana, com 52 propriedades e perdas de R$ 7,1 milhões, Rio Doce, com três propriedades e perdas de R$ 670 mil e Ponte Nova, com quatro propriedades e prejuízo de R$ 71 mil. Cerca de 25 propriedades da região ainda estão sendo catalogadas.
Segundo o presidente da Emater-MG, Amarildo Kalil, o estudo pode servir de referência para que proprietários rurais possam requerer possíveis indenizações da mineradora Samarco, responsável pelo acidente em Mariana.

Joel da Harpa assume vice-liderança da Oposição

O deputado Joel da Harpa (PTN), assumiu, na tarde desta terça-feira (16), a vice-liderança da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), passando a atuar ao lado dos deputados Silvio Costa Filho (PTB), líder da Bancada, e Teresa Leitão (PT), vice-líder.

Joel da Harpa, que já vinha se posicionando de maneira independente na Casa de Joaquim Nabuco, afirmou ter tomado a decisão por discordar da condução do Governo do Estado na área da segurança pública. “O Pacto pela Vida está em colapso e, apesar dos nossos alertas, o Governo nada tem feito para mudar a situação”, destacou.