Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Prevenindo a infertilidade masculina

Tabagismo, consumo de álcool e uso de anabolizantes são hábitos que podem levar o homem à infertilidade temporária ou definitiva

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é infértil o casal que não consegue engravidar após um ano de tentativas sem o uso de qualquer tipo de método contraceptivo. Atualmente, cerca de 15% dos casais apresentam problemas de fertilidade, algo como mais de 80 milhões de pessoas no mundo – ou 7 milhões de casais no Brasil. “Podemos estimar que cerca de 30% das causas de infertilidade devem-se ao fator exclusivamente masculino, podendo o homem participar com cerca de 50% da infertilidade conjugal quando avaliados os fatores mistos”, explica o urologista Dimas Lemos Antunes, do Hospital Jayme da Fonte.

Os fatores que podem levar um homem à infertilidade são muitos e envolvem doenças e síndromes genéticas que podem interferir na capacidade reprodutiva, na produção de hormônios e de espermatozoides; doenças infecciosas (DST, caxumba); vários tipos de câncer; torção ou traumas nos testículos; varicocele (veias dilatadas na bolsa escrotal); a procedimentos cirúrgicos como correção de hérnias inguinais e cirurgias para próstata. Fatores como a exposição à radiação e a altas temperaturas, o uso de drogas e de anabolizantes também podem levar o homem à infertilidade temporária ou definitiva.

Segundo o urologista, com o passar dos anos, em um processo natural de envelhecimento, todo homem tende a diminuir a produção de espermatozoides. No entanto, ele alerta que alguns hábitos podem acelerar esse processo, causar infertilidade ou diminuir as chances de concepção. “O tabagismo, o etilismo e o uso de drogas como a maconha e a cocaína estão intimamente ligados a alterações no espermograma, principalmente pelo aumento da produção de radicais livres de oxigênio, que degradam os espermatozoides, além de interferirem na função erétil”, explica Dimas.

O uso de lubrificantes durante a relação sexual, banhos quentes e saunas e o hábito de usar materiais quentes (a exemplo de notebooks) apoiados sobre a bolsa escrotal também podem interferir na produção de espermatozoides. “O uso de esteroides anabolizantes também pode causar bloqueio da produção endógena de testosterona e causar parada na produção de espermatozoides”, diz.

Existem diversas formas de tratar a infertilidade masculina, dependendo de onde se encontra o obstáculo à fecundação. “Além da mudança de hábitos e aconselhamento quanto aos melhores períodos para as relações sexuais, podem ser prescritos complementos alimentares com funções antioxidantes, medicações para aumentar a produção de espermatozoides e testosterona”, explica o profissional. Também pode ser necessária a realização de procedimentos cirúrgicos como a correção da varicocele, reversão de vasectomia, punção do testículo ou mesmo a dissecção do testículo à procura de espermatozoides.

Um alento para esses homens está no avanço das técnicas de reprodução assistida, conforme explica Dimas Antunes: “Pode-se dizer que para um homem ser pai biológico é preciso, grosso modo, que ele produza pelo menos um espermatozoide e que este possa ser captado, preparado e colocado dentro do óvulo da mãe (ou de uma doadora) para assim formar o embrião a ser implantado no útero da mãe”. Em situações nas quais não são detectados espermatozoides no sêmen, outras técnicas podem ser empregadas, incluindo o uso de microscópio durante o procedimento para se “caçar” um espermatozoide dentro do testículo. “Se com nenhuma destas técnicas se consegue detectar espermatozoides, o paciente não poderia ser pai biológico. Então as opções seriam uso de espermatozoide de doador ou adotar uma criança”, explica.

Mas como a prevenção é sempre o melhor remédio, algumas iniciativas podem ser tomadas por quem deseja afastar o fantasma da infertilidade. Primeiro, é preciso detectar na história do paciente a existência de fatores que predisponham à infertilidade e afastá-los. “Isso inclui a troca de algumas classes de medicamentos, o abandono do tabagismo, etilismo, drogas ilícitas (cocaína, maconha) e esteroides anabolizantes, afastamento ou cuidados com riscos ocupacionais (pesticidas, metais pesados, radiações ionizantes, altas temperaturas, etc.)”. Segundo Dimas, o casal também precisa ser orientado sobre a frequência das relações, os melhores momentos para aumentar a chance de fecundação de acordo com o ciclo menstrual e sobre os efeitos do uso de alguns tipos de lubrificantes sobre os espermatozoides. “A realização de atividades físicas, a alimentação saudável e o apoio psicossocial são sempre impactantes tanto no desempenho sexual quanto na função fértil do homem”, aconselha o urologista Dimas Lemos Antunes, do Hospital Jayme da Fonte.

Funase Itinerante chega ao Case de Vitória de Santo Antão


Unidade socioeducativa da Zona da Mata Sul será a segunda a receber comitiva da Funase e da SDSCJ, que já passou pelo Case Timbaúba

O Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Vitória de Santo Antão, localizado na Mata Sul do Estado, sedia, nesta sexta-feira (19), da segunda etapa da Funase Itinerante. A iniciativa visa aproximar ainda mais diretores, gestores e gerentes da Funase e da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ) aos funcionários e internos das unidades. A primeira unidade visitada pela comitiva foi o Case Timbaúba, na Mata Norte, em 28 de janeiro.

Uma vez por mês uma unidade socioeducativa recebe a equipe, que é comandada pelo secretário Isaltino Nascimento e pelo presidente da Funase, Moacir Carneiro Leão Filho. Além de dialogar com os coordenadores e adolescentes que cumprem medida socioeducativa, a comitiva também será recebida por representantes locais do município. Esse encurtamento de distância com as unidades possibilitará atender as necessidades de cada unidade.

“A Funase Itinerante foi uma decisão da diretoria para fazer uma integração maior entre a diretoria da Funase e as unidades. Toda a diretoria vai às unidades para minimizar uma distância física e aumentar a integração com a sede”, explica o diretor-presidente da Funase, Moacir Carneiro Leão Filho. Coordenadores de outros setores da Fuanse, como Profissionalização, Educação e Corregedoria e Segurança, também farão parte da comitiva.

Na programação da Funase Itinerante em Vitória de Santo Antão, a comitiva será recebida pelos socieducandos do Case e toda a equipe técnica. Haverá apresentação da Guarda Mirim Tiro de Guerra 07-004 de Vitória de Santo Antão, literatura de cordel pelos socioeducandos da unidade socioeducativa e composição da mesa e realização dos trabalhos com as diretorias e os setores competentes.

A imprensa não terá acesso à unidade socioeducativa

SERVIÇO
Funase Itinerante no Case de Vitória de Santo Antão
Quando: 19/02/2016 (sexta-feira)
Horário: 9h às 14h</