Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

No Plenário do Senado, Fernando Bezerra sai em defesa do Nordeste, Norte e Centro-Oeste e pede adiamento de PECs


Brasília, 12/04/16 – O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) defendeu hoje (12), no Plenário da Casa, o adiamento da votação de duas Propostas de Emenda à Constituição: as PECs 159/2015 e 152/2015, relacionadas ao pagamento de débitos públicos decorrentes de condenações judiciais – os chamados “precatórios”. De acordo com o parlamentar, as matérias precisam ser melhor discutidas e aperfeiçoadas pelo Senado para se evitar o que o senador classificou de “instrumento de desequilíbrio regional”.

“Isso é mais uma injustiça que se está praticando com os estados mais frágeis porque estamos aqui tratando de liberar recursos e de abrir espaço fiscal para estados mais ricos da federação brasileira”, afirmou o pernambucano, no início da noite desta terça-feira. Na avaliação de Fernando Bezerra, se aprovadas conforme os atuais pareceres dos relatores – senadores Antônio Anastasia (PSDB-MG), relator da PEC 159, e Aloysio Nunes (PSDB-SP), da PEC 152 – as matérias beneficiarão os estados responsáveis por quase 80% da dívida pública federal, como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

“Vamos dar fôlego fiscal para os mais ricos da federação porque o que sair de dinheiro da PEC 152 será destinado a pagar os precatórios dos estados”, observou Fernando Bezerra. “Do jeito que está, praticaremos uma injustiça e não contarão com meu voto”, ressaltou. Por acordo, os senadores decidiram adiar a votação das duas PECs, o que pode ocorrer até a próxima quinta-feira (14).

As duas Propostas de Emenda à Constituição acrescentam dispositivos ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, instituindo regime especial de pagamento de precatórios. Uma das mudanças é a extensão do prazo para o pagamento das dívidas. “Onde está a responsabilidade fiscal nisso? Agora, querem mais dez anos? E (os estados mais ricos) vão ter o mesmo tratamento, quase igual ao dos estados pobres?”, questionou Fernando Bezerra Coelho. “Não podemos colocar os estados uns contra os outros. Precisamos ser solidários. Mas, do jeito que estão as duas matérias, elas não atendem ao equilíbrio federativo”, destacou o senador.

MOBILIZAÇÃO – Durante a fala no Plenário, que Fernando Bezerra definiu como “um desabafo”,  o senador sugeriu que os parlamentares das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste se mobilizem para garantir o aprimoramento das duas PECs. “É preciso que façamos esta discussão de forma aberta, para não cometermos uma injustiça num momento de grave crise fiscal”, defendeu. “Não podemos conceder recursos para os estados mais ricos e dar as costas aos estados pobres, que não têm a solidariedade nem da União para a concessão de novos empréstimos; tampouco, há investimentos públicos federais para animar a economia destes estados mais fragilizados pela crise econômica”, completou o senador.

ISBRAPT FORMA 1ª TURMA DE BOMBEIRO CIVIL EM PAULISTA


O Instituto Social Brasil Para Todos/ISBRAPT, honra com seu papel enquanto entidade do terceiro setor, qualificando vinte jovens e adultos para o curso de BOMBEIRO CIVIL E SOCORRISTA no último dia 09 de Abril de 2016 no Clube da Santista em Paratibe/PE.
Segundo, Dr. Rianzi Guerra – Presidente do ISBRAPT, destacou a importância da qualificação e profissionalização para o processo de inclusão social e de empregabilidade, deixando claro e objetivo, que a sua atuação de sucesso no ISBRAPT é reflexo do brilhante trabalho desenvolvido por CICERO DA ONG – Fundador da instituição e atual Conselheiro Tutelar do Município do Paulista, pois o trabalho do mesmo é referencia em todo Brasil, sendo exemplo para todos nos brasileiros.
Não poderia deixar de enfatizar, que ao longo de 8 (oito) anos em Pernambuco, a instituição já qualificou cerca de 4 (Quatro) mil jovens e adultos, com  uma inserção de trinta (35%) no mercado de trabalho.
Todo esse sucesso vem devido ao grande esforço e dedicação de toda equipe do ISBRAPT e grandes parcerias bem como: Instituto Coca Cola Brasil – ICCB, Brazilfoundation, Vara de Execuções de Penas Alternativas – VEPA, Ministério Público de Pernambuco - MPPE e Prefeitura da Cidade do Paulista.
O ISBRAPT bate RECORDE em indicadores de atendimento social, demonstrando sua grande competência de empreendedorismo no que tange as políticas sociais.
Em manifestação, referente ao Processo nº 0003566-15.2015.8.1090, o MPPE, destaca o excelente trabalho desenvolvido pelo o ISBRAPT, trazendo a baila à grande responsabilidade social dessa valorosa instituição.
Por fim, Vinte (20), jovens e adultos se formaram como BOMBEIRO CIVIL e Socorrista, que por sua vez, irá ocupar vagas no mercado de trabalho, com isso, trazendo sustentabilidade para suas respectivas famílias. 

Servidores participam da fase final de treinamentos do Portal da Transparência


Nesta terça-feira (12.04), os servidores da Prefeitura do Paulista participaram da última fase do treinamento do Portal da Transparência – ferramenta que permite à população ter acesso a dados importantes sobre a gestão, como receitas, despesas, convênios, licitações, entre outros. A capacitação, que ocorreu na sede da Empresa Municipal de Informática (Emprel), no Recife, contou com a participação de 14 representantes do município. O encontro segue nesta quarta (13).
Na ocasião, o grupo teve a oportunidade de conhecer todos os detalhes sobre o funcionamento do portal e as orientações necessárias para o seu manuseio. As dicas sobre o sistema serão usadas pelos servidores na administração da ferramenta versão Paulista, que está sob a coordenação da Controladoria Geral da cidade. A expectativa é de que o portal esteja em pleno funcionamento até o final do mês de maio.
Na próxima segunda (18), os técnicos da Emprel e da Controladoria Geral do Recife ministram uma palestra para os servidores do município envolvidos na implantação do portal. Na oportunidade, serão abordados temas como Lei de Acesso à Informação (LAI), transparência ativa, entre outros. O encontro acontece, das 09h às 12h, no auditório da Faculdade Joaquim Nabuco, no Centro da cidade.Nesta terça-feira (12.04), os servidores da Prefeitura do Paulista participaram da última fase do treinamento do Portal da Transparência – ferramenta que permite à população ter acesso a dados importantes sobre a gestão, como receitas, despesas, convênios, licitações, entre outros. A capacitação, que ocorreu na sede da Empresa Municipal de Informática (Emprel), no Recife, contou com a participação de 14 representantes do município. O encontro segue nesta quarta (13).
Na ocasião, o grupo teve a oportunidade de conhecer todos os detalhes sobre o funcionamento do portal e as orientações necessárias para o seu manuseio. As dicas sobre o sistema serão usadas pelos servidores na administração da ferramenta versão Paulista, que está sob a coordenação da Controladoria Geral da cidade. A expectativa é de que o portal esteja em pleno funcionamento até o final do mês de maio.
Na próxima segunda (18), os técnicos da Emprel e da Controladoria Geral do Recife ministram uma palestra para os servidores do município envolvidos na implantação do portal. Na oportunidade, serão abordados temas como Lei de Acesso à Informação (LAI), transparência ativa, entre outros. O encontro acontece, das 09h às 12h, no auditório da Faculdade Joaquim Nabuco, no Centro da cidade.

Diferenças: o elo entre as pessoas.



Numa tarde, alguns anos depois de formado, atendi dois novos pacientes com o mesmo tipo de queixa “dificuldade de relacionar-se com os outros: o primeiro sofria pelo seu egocentrismo e o outro pela solidão, que beirava a depressão. Até começar a atendê-los não tinha ideia do quanto eles iriam possibilitar um novo direcionamento nos atendimentos.
14 horas: entrou no consultório um rapaz de aproximadamente vinte e dois anos, moreno, olhos tristes, cabelos cacheados, sorriso que mostrava sofrimento. Durante a psicoterapia ficou tenso e inclinado para frente. Falava com arrogância, mas seu discurso apontava sua insegurança. Sua queixa era que não conseguia manter um namoro. Relatou que depois de alguns meses e diversas DR (discutir a relação) o relacionamento acabava. Entendia o que acontecia, mas não saia desse ciclo vicioso.

No decorrer dos atendimentos ficou claro o quanto desejava que as pessoas mudassem para que ele fosse feliz e pudesse tanto amar e ser amado, mas não fazia o básico: mudar a si próprio. Ele era egocêntrico: nas conversas adorava falar de si, das atividades que fazia e gostava, bem como interromper a fala do outro para expor suas opiniões. A ânsia em falar de si deixava pouco
tempo ao outro, consequentemente, não conhecia com profundidade seus familiares, amigos e as namoradas que teve. Percebia com muita facilidade os defeitos dos outros e os apontava, por vezes o fazia de forma engraçada, mas não menos agressiva. Nos namoros não era diferente, percebia e apontava o quanto a namorada não lhe agradou, ou ficou distante, mas pouco percebia seus defeitos. Exigia atenção o tempo todo e para isso justificava que se dedicava inteiramente a namorada. Isto era verdade, mas não se dava conta que o fazia por carência, por medo de ficar sozinho e não de forma equilibrada.
Para quase tudo tinha uma justificativa e quem tudo justifica não consegue enxergar seus próprios erros, por conseguinte, deixava suas “namoradas” na defensiva, não encontravam nele um ombro amigo, ele era mais um filho do que um namorado.
A missão da psicoterapia foi torna-lo adulto e um conhecedor do ser humano e suas necessidades. Ele precisou conhecer quem estava ao seu redor, perceber suas necessidades e saber o que os motivavam, bem como, identificar o que no seu comportamento era maléfico nas relações. Aprendeu a ouvir mais do que falar, a respeitar e ser humilde; com o tempo se deu conta que precisava amar para então ser amado. Com essas mudanças foi possível aprofundar os aspectos subjetivos e emocionais que lhe apareciam como barreira

Às 15 horas entrou na sala um homem de 26 anos, solteiro, engenheiro, com dificuldade de manter olhar e seguidamente ficava cabisbaixo ao relatar o quanto sofria com a solidão. Considerava um fardo muito grande as responsabilidades que estavam sob suas costas, tanto profissionais como familiares. Relatou que é o irmão mais velho de uma família de três filhos. Seus pais tinham casado cedo e dedicado ao sustendo da família. Ele percebia que desde novo já tinha ultrapassado a condição dos seus pais, tanto financeira quanto intelectual. Sabia que não seriam eles que lhe direcionariam na vida moderna, mas o inverso, os pais esperavam dele o apoio. Ele por sua vez, sempre apresentou sonhos grandiosos e gostaria de realiza-los, mas nunca tinha se dado conta do peso que isso representava. Ao mesmo tempo que sonhava, lamentava sua condição e sua solidão, à medida que isso ocorria mais as pessoas se afastavam dele.

Ao descrever suas relações apareceu a visão que os outros tinham dele: uma pessoa que reclamava, culpava os outros e no fundo não tinha condição de realizar o que sonhava. Em vez de congregar afastava as pessoas, mesmo assumindo profissionalmente posição de liderança, não liderava, não era exemplo, nem inspirava os colaboradores a lhe seguirem. No decorrer do processo psicoterapêutico percebeu que procurava a solidão e o fazia para evitar o confronto e as responsabilidades pelas suas escolhas.

Ele tinha vários predicados para se dar bem na vida e no desenvolvimento dos seus projetos, mas pecava no mais básico, não sabia lidar com o ser humano. Não se interessava e não incentivava seus colaborado