Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Opinião: Arrogância e Solidão

Flávio Melo Ribeiro
flavioviver@gmail.com

Numa pequena comunidade viviam em harmonia duas amigas; a “MaisBella” e a “MaisLinda”. Além de serem as mulheres mais bonitas, eram amigas inseparáveis e cortejadas por todos os homens. Diariamente trocavam confidências e conversavam sobre todas as cantadas que recebiam. Os homens se apaixonavam e se declaravam. Porém por mais apaixonados que estivessem seus sentimentos apenas roçavam os corações das duas belas. Por sua vez elas os olhavam com firmeza e os capturavam na fragilidade de suas paixões. Por anos esse desprezo pelos pretendentes se manteve, no entanto no final de uma tarde ensolarada tudo isso mudou.

Por entre os raios de sol que batiam na porta da sorveteria, entrou o “MaisGato”, lançou seu olhar por todas, mas não se deteve em ninguém. Puxou uma cadeira, sentou e esperou. “Maisbella e “MaisLinda” sentiram pela primeira vez desconforto. Como que o homem mais lindo que chegou na sua cidade não as olhou e as desejou? Logo esse desconforto se tornou curiosidade e por sua vez passou a interesse.

Nesse dia não trocaram confidências, nem tão pouco transpareceram emoção. E por uma semana o interesse alimentou seus pensamentos e desejos. Quando se encontraram, não esconderam que estavam afim do mesmo homem. A harmonia foi abalada pela raiva e inveja. Se viram como rivais até perceberem que “MaisGato” estava apaixonado pela “MaisLegal”. Imediatamente questionaram: “como assim? A “MaisLegal” até que não é feia, mas não é tão bonita como nós.”

Nesse momento abriu espaço para refletirem sobre seus valores e consequências para seus respectivos futuros. Mas ambas optaram pelo caminho mais fácil: manter suas personalidades banhadas na arrogância e desprezaram “MaisGato”, considerando-o como mais um. Dessa forma escolheram continuar na solidão de mil cantadas sem o amor de um coração.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449
A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual. flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386 Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia

Mudanças climáticas: aumentos sucessivos da temperatura global preocupam parlamentes brasileiros que estarão na COP-22

Divulgação
Brasília, 23/08/16 – Sob a relatoria do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), a Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas (CMMC) do Congresso Nacional realizou, nesta tarde (23), a primeira audiência pública preparatória para a 22ª Conferência das Partes (COP-22) da Convenção-Quadro da ONU, que ocorrerá no período de 7 a 18 de novembro deste ano, em Marrakesh, capital do Marrocos. Durante o debate, parlamentares e especialistas convidados demonstraram preocupação com o agravamento da elevação da temperatura do planeta.

Uma das medidas defendidas por Fernando Bezerra como colaboração efetiva do Brasil no enfrentamento do aquecimento global é a antecipação das ações previstas na “Contribuição Nacionalmente Determinada (iNDC/Brasil)”, apresentada durante a COP-21 e que integra o chamado “Acordo de Paris”. Assinado no final do ano passado, na capital francesa, onde ocorreu a 21ª Conferência da ONU sobre Clima, o Acordo foi ratificado pelo Senado, semana passada, destacando o Brasil como uma das primeiras 23 nações (entre as 194 que participaram da COP-21) a validarem o documento. “Não é preciso aguardarmos o ano de 2020 para a implementação do Acordo de Paris (que entra em vigor no referido ano)”, destacou o relator da CMMC. “Podemos, por exemplo, ampliar as energias limpas, renováveis – principalmente, a solar, eólica e de biomassa – para potencializarmos a redução das emissões de gases de efeito estufa”, sugeriu Bezerra Coelho.

Além do presidente da CMMC, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), participaram da audiência pública de hoje, o embaixador e representante do Ministério das Relações Exteriores (MRE), José Antônio Marcondes de Carvalho; o secretário-substituto do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Adriano Santhiago; e o diretor-executivo do Centro Brasil no Clima, Alfredo Sirkis. Todos elogiaram a ratificação do Acordo de Paris pelo Senado, na última quinta-feira (11), e defenderam que a matéria seja sancionada pelo presidente em exercício, Michel Temer, o mais rapidamente possível. “Com isso, o nosso país será o primeiro, entre as nações de grande economia que participaram da COP-21, a confirmar as medidas acordadas na capital francesa”, observou o embaixador.

Frente "Sertânia no rumo certo" realiza caminhada bem sucedida

Divulgação
No dia de seu aniversário, o atual prefeito e candidato à reeleição, Guga Lins (45), foi presenteado com muito carinho e incentivo pelo povo de Sertânia. Neste domingo, Guga encontrou amigos e eleitores na Vila Ferro Velho, e seguiu com eles em caminhada até o Parque de Exposição Profeasor Renato Morais, onde ocorreu a última noite da Exposertânia 2016.

As músicas oficiais da frente "Sertânia no rumo certo" foram repetidas, sem demonstração de cansaço, pelos presentes. "Iniciamos a campanha há pouco tempo, mas já é possível sentir o envolvimento das pessoas. Isso nos motiva", destacou Guga Lins.

Cepe lança biografia de Moacir Santos em noite de concerto no Santa Isabel

Mestre de nomes como Baden Powell, Roberto Menescal, Sérgio Mendes, João Donato, Nara Leão, Eumir Deodato e Carlos Lyra, entre muitos outros, o músico pernambucano Moacir Santos é considerado um dos maiores compositores e arranjadores do mundo, embora ainda seja pouco conhecido em sua terra natal. Nesta terça-feira (23), a Companhia Pernambucana de Pernambuco (Cepe), lança no Teatro de Santa Isabel, às 19h, livro que resgata obra e vida desse sertanejo, de São José do Belmonte, que caso estivesse vivo teria completado 90 anos em julho passado. O lançamento de "Moacir Santos ou Os caminhos de um músico brasileiro", da pesquisadora e musicista Andrea Ernest Dias, também contará com homenagem da Banda Sinfônica do Conservatório Pernambucano de Música, com regência do maestro Marcos FM. O lançamento tem entrada franca.

Crianças ativas se desenvolvem melhor

Já dizia o antigo e sábio ditado “mente sã em corpo são”. Por isso, é fundamental para a vida de qualquer pessoa manter esses dois fatores em harmonia. O assunto é tão importante que há diversas pesquisas ressaltando a relação entre performance acadêmica e as atividades físicas.

Segundo a psicopedagoga e psicomotricista da Neuro Saber Luciana Brites, o sedentarismo nunca fez bem para ninguém, inclusive para as crianças em idade escolar. Para a profissional, quando elas estimulam o corpo, consequentemente, contribuem para o melhor desenvolvimento do cérebro.

- Pesquisas já vem mostrando isso, como uma revisão bibliográfica feita na Universidade de Vrije, Amesterdã (Holanda). Pesquisadores encontraram dados que indicam a relação entre performance acadêmica e atividade física. Foi constatado que o exercício físico possibilita um aumento do fluxo de oxigênio para o cérebro melhorando os níveis de neurotransmissores que reduzem o estresse e ainda melhoram o humor - explica.

Por isso, Luciana afirma que as crianças ativas se saem melhor na escola. Segundo a psicomotricista, a instituição de ensino que promove bons hábitos físicos contribui para o desenvolvimento dos alunos.

Por exemplo, ao realizar diferentes tarefas, como correr, pular e até brincar de se fantasiar, os pequenos são estimulados de diversas maneiras. Dessa forma, contribui positivamente para as estruturas corporal (ossos, músculos e nervos) e cognitivas. “Isso mostra que o corpo e o cérebro estão ligados”.

Para a especialista, aquelas que ficam mais expostas às atividades físicas, simples ou mais intensas, também estão aprimorando aspectos cognitivos. Segundo a especialista, isto acontece porque para a realização dos movimentos exige-se da pessoa atenção, memória, planejamento e sequenciação.

- A criança é estimulada globalmente, tanto nos aspectos biológicos, como cardiovascular, como também fazendo delas mais ágeis e desenvolvendo melhor habilidades sociais e cognitivas - afirma.

A pedagoga Magda Asenete também reforça a necessidade de se manter ativo. Para a diretora da In Company Assessoria e Treinamento, isso não só traz benefícios para os jovens como também para adultos. Porém, ela acredita que toda atividade com os estudantes precisa ser bem dirigida.

Para a pedagoga, o profissional tem de canalizar a energia dos menores para tornar a ocasião proveitosa, prazerosa e educativa. Por exemplo, o professor deve orientar e coordenar os alunos sobre o que fazer. “Isso exigirá deles atenção, concentração, saber ouvir e interpretar o que se pede”.

- Dessa forma, eles aprendem a necessidade de ter conhecimento daquilo que será solicitado a fim de ter resposta imediata. Quando corretamente executado, leva-se à conquista de pontos ou do jogo. O estímulo torna-se um aliado fundamental para o desenvolvimento delas - diz.

Magda ressalta também que essas ocasiões podem ser usadas para ensinar os alunos sobre o respeito entre os colegas. Por conta de diferentes personalidades numa mesma turma, algumas são mais calmas e outras gostam de mais agitação.

- Em aula, o professor precisa mostrar que o mais importante é entender que cada colega tem seu ritmo próprio e podem interagir socialmente de maneiras diferenciadas. Para tanto, basta que haja respeito mútuo, independentemente da idade, dos gostos esportivos e dos tipos de comportamento - conclui.

Livro critica suposta perfeição das relações sociais

Refletir sobre o que se esconde por trás das aparências, essa é a proposta do novo livro da escritora Cláudia Marczak. Intitulado “O mundo perfeito”, o romance tenta representar um dos grandes dramas da sociedade, a autoimagem das classes sociais.

A obra conta a história de Luísa, uma mulher linda, atraente, mãe de dois filhos, casada com um importante empresário rico, bonito e charmoso. Mesmo com empregados fazendo todas as coisas por ela e aquela vida que seria o mundo perfeito para muitos, para a personagem, nada disso a fazia se sentir completa nem feliz.

Porém, todo o conceito sobre perfeição entra em choque quando a Luísa toma determinadas decisões que mudam a sua vida, deixando-a cada vez mais confusa.

Segundo Marczak, o livro indaga sobre a suposta "perfeição" das relações sociais superficiais que existem hoje. Para ela, vivemos num mundo em que todos mostram ser perfeitos e felizes. Porém, essa fachada perfeita esconde sentimentos e sensações que as pessoas tentam ocultar. “O romance promove um olhar para essas imperfeições sombrias e ocultas do ser humano”.

Inspiração literária

A escritora diz que a fonte para inspiração do seu trabalho vem de obras de Clarice Lispector, Nelson Rodrigues e Fernando Pessoa. Por esse motivo, seu desejo é sempre inquietante. Para ela, seus livros não podem passar uma sensação de indiferença. “Quero mobilizar o leitor através de sensações e surpresas que vão surgindo no decorrer da história”.

- Cada momento da minha vida pede um texto diferente. Fernando Pessoa, por exemplo, resume bem essa sensação através dos heterônimos, cada qual com um olhar diferente do mundo. Um texto apenas me acorrentaria. A literatura tem o dever de libertar - relata.

Sobre a autora

Além de “O mundo perfeito”, editado pela Penalux, Cláudia Marczak também publicou “Caos” e “Lugar Algum”, ambos de poemas e independentes, através de plataformas de autopublicação. Além disso, também lançou o romance “A flor da pele”, em 2012. Para esse ano, ainda pretende publicar mais duas coleções de livros infanto-juvenis pela Editora Fabris.

Link para comprar o livro: 

Livro “O mundo perfeito”
Autora: Cláudia Marczak
Editora: Penalux
Tamanho: 14X21 cm
Páginas: 204
Preço: R$ 40,00

Semana Municipal da Pessoa com Deficiência trata da importância da sensibilização das diferenças

Divulgação
Agosto é conhecido nacionalmente como o mês da pessoa com deficiência. E para marcar a data, a Prefeitura do Paulista realizou nesta terça-feira, às 10h, a abertura da Semana Municipal da Pessoa com Deficiência. A programação aconteceu no auditório do bloco C, da Faculdade Joaquim Nabuco, Av. Senador Salgado Filho, s/n, Centro. O evento foi organizado pelo Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (COMID), Departamento de Assistência ao Deficiente (DAD), em parceria com a Secretaria de Políticas Sociais, Esportes e Juventude, junto as ONGs Anjo da Guarda e o Centro Regional de Ensino e Reabilitação (Center).

Com a temática “O futuro se faz com a sensibilização das diferenças”, o evento que busca romper com o ciclo da invisibilidade dos deficientes, contou com apresentações culturais de frevo e hip hop dos alunos do Center – unidade educacional que atua com crianças e adolescentes com algum tipo de limitação.

A abertura contou com a palestra da diretora da ONG Anjo da Guarda, Glória Pimentel. Na sua explanação, a diretora destacou a necessidade de tirar as pessoas com deficiência do anonimato. “É necessário romper o ciclo da invisibilidade, e o futuro só se faz com a sensibilização das diferenças, a partir de quando estas pessoas com deficiências se mostram, saem de casa. É essa sensibilização que eu acredito e que o município está acreditando, ao colocar professores itinerantes nas escolas, apoiar as ONGs e celebrar um evento como este”.  

Marluce Salustiano, mãe de Márcio José, de 34 anos, portador da síndrome de down, fez questão de participar da Semana de Municipal da Pessoa com Deficiência, e diz que para ela é uma forma de mostrar ao mundo que estas pessoas também são capazes. “Muita gente pensa que as pessoas com down não servem para nada, mas servem pra muita coisa, pois tudo o que eu já conquistei com ele só foi alegria. Agora tá muito mais evoluído do que há 34 anos. Hoje quando a criança nasce já tem pra onde levar, para ter os cuidados. Meu filho participa de capoeira, vários tipos de dança e coral. A cada dia subimos mais um degrau, só basta correr atrás. Sou grata por ele ser assim, exatamente do jeitinho que ele é”.