Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Justiça Eleitoral do Paulista impugna pesquisa da Datametrica

 
 

A Juiza da 12ª Zona Eleitoral do Paulista, Drª Laura Simões, acatou no final da tarde desta quarta-feira, 28, denuncia da Frente Paulista no Rumo Certo, contra  pesquisa de intenção de voto para prefeito. A referida pesquisa foi realizada pela empresa Datametrica Contact Center, contratada pela empresa Nova Comunicação Integrada.

A impugnação da pesquisa, proibindo a divulgação do resultado da mesma, foi baseada na flagrante violação das disposições legais contidas na resolução TSE 23.453/2015, em seu Art. 2º, incisos IV e VII, que determinam respectivamente:  divulgação de pesquisa sem prévio registro de cinco dias de antecedência a sua divulgação e constatação de irregularidades no plano amostral, caracterizando infringência dos requisitos legais.

A citada pesquisa, encomendada pela Nova Comunicação, indicou Evandir Pedrosa, PP, para vice na chapa de Sergio Leite, candidato que tenta pela quarta vez se eleger prefeito do Paulista. Sérgio, por sua vez, acionou o jurídico de sua campanha no TRE, na tentativa de impugnar a pesquisa do Instituto Opinião, mas a Juíza não acatou e a pesquisa está prevista para ser divulgada nesta sexta-feira, 29.

A divulgação de uma pesquisa considerada fraudulenta, em quaisquer veículos de comunicação, constitui crime punível com detenção de seis meses a um ano e pagamento de multa nos valores que variam de R$53.205,00 a R$106.410,00.

Saiba quais são os critérios da lista de espera por transplantes


Portal Brasil
Atualmente, o Brasil tem o maior sistema público de transplantes do mundo, com mais de 20 mil cirurgias por ano. Desde o início do século, já foram realizados mais de 335 mil transplantes. 
Da mesma maneira, o número de carências também cresceu. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, as maiores listas de espera para a realização de transplantes são para rim, fígado e pâncreas/rim, respectivamente.
As filas de cada órgão
Cada órgão tem uma fila de espera específica, baseadas na Lei nº 9.434/1997, no Decreto nº 2.268/1997 e na Portaria GM/MS nº 2.600/2009. As relações de pacientes são administradas pela Coordenação-Geral do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), do Ministério da Saúde, por meio de sistema informatizado.
A principal característica das listas é que elas não funcionam por ordem de chegada, em que o primeiro a se inscrever receberá o órgão antes do segundo e assim consecutivamente. Em vez disso, os critérios obedecem a condições médicas. São três fatores determinantes: compatibilidade dos grupos sanguíneos, tempo de espera e gravidade da doença.
Por exemplo, se pela ordem de chegada o primeiro colocado na fila é uma pessoa com tipo sanguíneo A e um órgão de um doador tipo B fica disponível, a primeira colocada não vai receber o transplante.
Da mesma maneira, a gravidade do estado de saúde do paciente é mais determinante que o tempo de espera. Assim, pacientes com maior risco de morte têm a preferência.
No caso dos transplantes de fígado, por exemplo, esse risco é mensurado por um índice matemático chamado Model for End-stage Liver Disease, ou Meld (em português, Modelo para a Doença Hepática em Estágio Terminal, em uma tradução aproximada). O cálculo é feito com base nos exames laboratoriais do doente. Quanto maior for o resultado desse cálculo, mais à frente da lista o paciente é posicionado.
Já no caso dos rins, os médicos retiram os órgãos do doador, coletam exames e fazem uma análise genética completa. Com o resultado em mãos, eles fazem um comparativo com todas as pessoas que esperam um rim e classificam esses pacientes por compatibilidade.
Os mais compatíveis ganham mais pontos. O tempo de espera também conta, mas há outros vários fatores. Condições médicas como diabetes, por exemplo, garantem maior pontuação, entre outros. Quem somar mais pontos recebe o órgão. Cada vez que um rim fica disponível, um ranking diferente é gerado.
Prioridade regional
O paciente à espera de um transplante precisa estar inscrito no Cadastro Técnico Único. Apesar de o sistema de transplantes e a fila serem nacionais, as distribuições são regionalizadas.
Isso significa que o órgão do doador é viabilizado para um receptor do mesmo Estado da federação. Isso acontece, primeiramente, por questões de logística de transporte. Além disso, considera-se o tempo de isquemia, isto é, o prazo de duração que o órgão resiste sem irrigação fora do corpo.

Exame de proficiência em português tem mais de 5 mil inscritos

Realizado no Brasil e em outros 35 países, a segunda edição 2016 do exame para obtenção do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) recebeu mais de 5 mil inscrições homologadas. As provas (oral e escrita) serão realizadas entre 18 e 20 de outubro por cidadãos estrangeiros e brasileiros, residentes no Brasil e no exterior, cuja l