Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Asma grave é causa de internações no período de chuvas

Quem sofre de asma precisa ficar ainda mais ligado no período de chuvas! A doença requer mais atenção nessa época do ano, em que há aumento dos casos de resfriados e outras infecções virais que agridem o sistema respiratório. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), a asma atinge cerca de 20% da população brasileira, causa 300 mil internações e dois mil óbitos todos os anos. Embora a asma não tenha cura, o tratamento adequado pode controlar os sintomas e diminuir as crises.

No Esperança Olinda - Rede D’Or São Luiz, onde há um serviço hospitalar voltado ao público infantil, houve, por exemplo, nos últimos 3 meses 108 crianças internadas por asma, sendo 45 dessas em UTI, por crises de asma moderadas ou graves. Na emergência pediátrica houve um aumento médio dos atendimentos nesse período de cerca de 65% se comparados aos 2 primeiros meses do ano. Número 23,6% acima do previsto para o período do ano. “O que motivou reforço médico e empenho de toda equipe para tentar absorver tal demanda, com qualidade.”, informou o médico Igor Colaço, chefe da emergência pediátrica deste hospital.

Neste período, há maior incidência das doenças respiratórias da infância, como asma, bronquiolite e pneumonia, havendo, de forma sazonal, uma procura muito grande às emergências pediátricas. Aumentam também os índices de internamentos hospitalares e nas UTI's pediátricas. Muitos serviços pediátricos, públicos e privados ficam com ocupação máxima e ocorrem mais frequentemente casos graves e quase fatais da asma em crise. “A asma é uma doença inflamatória crônica que resulta da interação entre predisposição genética e exposição ambiental a infecções das vias aéreas, alérgenos ou irritantes. Trata-se de uma doença obstrutiva da vias aéreas inferiores, com episódios agudos de sibilância e cansaço, associados a tosse, aperto no peito e desconforto respiratório.”, afirma o médico. É a mais comum doença da infância, com prevalência entre 11% e 13% no mundo. No Brasil, segundo o projeto Isaac, estudo multicêntrico que envolve 56 países, pode chegar a 25%.

Há sinais e sintomas que podem apontar o quadro de asma grave, tais como acordar com frequência à noite em decorrência dos sintomas da asma; ter que faltar as atividades escolares por conta da asma; apresentar muitas limitações para participar de atividades físicas; ter que ir de forma emergencial ao hospital; ser internado por conta da asma; e ter sua qualidade de vida prejudicada. Além das infecções virais em menores de 2 anos e os aero-alérgenos nos maiores de 2 anos são os principais estímulos causadores de hiper-reatividade brônquica. Os fatores desencadeantes são múltiplos e os ataques podem durar dias e podem se tornar perigosos se o fluxo de ar estiver muito restrito. “Então, prevenção e controle são as chaves para impedir que os ataques de asma grave comecem.”, finaliza o médico.

*imagem tirada da internet

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.