Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Doenças respiratórias: saiba como fugir das vilãs das baixas temperaturas

É só o clima ficar mais seco e a temperatura cair que as “ites” começam a aparecer. As temidas crises de rinossinusite (popularmente conhecida como sinusite) e rinite são mais comuns do que se imagina. Segundo o otorrinolaringologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Gustavo Barros, estima-se que cerca de 30% das pessoas sofram de rinite alérgica.
Mesmo sendo popular, ainda há confusão em relação aos sintomas. O médico explica que a rinite é uma inflamação da mucosa do nariz, que pode levar ao nariz entupido, coriza, espirros e coceira. Já a rinossinusite é a inflamação dos seios da face - são espécies de câmaras de ar que ficam ao redor do nariz, forradas internamente por mucosa respiratória - e causa sintomas de obstrução nasal e secreção nasal, principalmente, além de outros sintomas como dor facial.
Como forma de prevenção, o especialista indica a lavagem nasal diária, recomendada mesmo para quem não sofre com o problema. “Deveria ser encarado como uma higiene pessoal, assim como escovar os dentes”.
Para quem já sofre com obstrução, aumento das secreções e outros sintomas, Barros ressalta a importância de não se submeter aos truques caseiros. Eles podem aliviar alguns incômodos, porém não há evidência de que atuem na cura efetiva.
Com relação ao diagnóstico e tratamento, o otorrino explica que não há necessidade de realizar exames de imagem para os casos de rinite ou rinossinusite agudas. “A avaliação se dá através da história clínica do paciente e do exame físico. Testes complementares como exame endoscópico nasal e tomografia computadorizada, podem ser solicitados em caso de suspeita de complicações e doenças crônicas. Porém são desnecessários para diagnóstico e tratamento de doenças agudas”.
Sobre a durabilidade das crises, Gustavo Barros reforça que quadros infecciosos virais tendem a ser mais leves e não duram mais do que 10 dias. Já os bacterianos apresentam sintomas mais intensos e podem durar mais do que 14 dias, podendo ser necessários tratamento com antibióticos e cuidados nasais adicionais.
Para o médico, é importante esclarecer que a rinite realmente não tem cura para a maioria dos casos, mas controle. Ao contrário da rinossinusite, que apresenta cura na maior parte das vezes. “Portanto, consulte sempre um otorrinolaringologista e respire melhor”, recomenda.

COMPLEXO HOSPITALAR EDMUNDO VASCONCELOS
Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.400 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 - Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, conquistado pelo sexto ano consecutivo em 2016.
Rua Borges Lagoa, 1.450 - Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo.
Tel. (11) 5080-4000
Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.