Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Hospital Mestre Vitalino realiza novo mutirão de ortopedia

Em janeiro deste ano, o Hospital Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, realizou mutirão de ortopedia para o atendimento de crianças com Síndrome Congênita do Zika/Microcefalia. Nesta quinta-feira (06), durante toda a manhã, um novo mutirão, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), está sendo realizado para que sejam feitas as reavaliações dos casos atendidos.

O mutirão conta com cinco ortopedistas, além da equipe multiprofissional do HMV e de apoiadores da SES, e beneficiará cerca de 70 crianças dos municípios das Gerências Regionais de Saúde (Geres) de Limoeiro, Caruaru, Arcoverde, Salgueiro, Afogados da Ingazeira e Serra Talhada.
"Com esse mutirão, os profissionais irão verificar o desenvolvimento motor das crianças. Além de avaliar como está sendo feito o uso das órteses e se alguma criança está precisando de algum outro tipo de suporte complementar, algo que é essencial para auxiliar no desenvolvimento desse público", afirma o diretor do HMV, Marcelo Cavalcanti.
Já o ortopedista Márcio Lacerda, que está participando dos atendimentos, ressalta que “a maior dificuldade da criança com microcefalia é a luxação de quadril. Elas têm rigidez muscular e o botox faz com que o músculo relaxe e tem que ser feito de 6 em 6 meses. É indicado fisioterapia sempre e o acompanhamento médico também".
Entre as participantes do mutirão, a pequena Evelyn, de 1 ano e 7 meses, que foi levada pela mãe, Erivânia Gecina da Silva. "O atendimento é muito importante para o desenvolvimento da minha menina. O acompanhamento é muito importante para o desenvolvimento muscular, psicológico e para a qualidade de vida dela melhorar. Ela já apresenta resultados positivos e eu estou muito satisfeita com os resultados e com a atenção de todos aqui", diz a mãe, que também participou do mutirão em janeiro.
O Hospital Mestre Vitalino realiza o atendimento de rotina das crianças com Síndrome Congênita do Zika/Microcefalia nas especialidades de neuropediatria, gastropediatria e psicologia. Já nas Unidades Pernambucanas de Atenção Especializada (UPAE) de Caruaru e de Belo Jardim, que atendem os municípios da IV Geres, contam com atendimento de fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia. Em todo o Estado, 27 unidades estaduais, espalhadas por todas as regiões, realizam o atendimento às mães e às crianças com microcefalia.
NÚCLEO DE APOIO ÀS FAMÍLIAS – Com o intuito de coordenar e monitorar o trabalho relacionado às famílias e crianças com microcefalia, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) instituiu, em maio de 2016, o Núcleo de Apoio às Famílias com Microcefalia. Formado por uma equipe de 13 assistentes regionais distribuídos nas 12 Regionais da Saúde, 1 assistente e 1 coordenador no Nível Central, é responsável por monitorar e acompanhar, de modo regionalizado, as crianças notificadas durante toda a linha do cuidado, além de prestar apoio às famílias e desenvolver estratégias para garantir seus direitos.
Assim, faz parceria com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Secretaria Estadual de Defesa Social, INSS, Programa Mãe Coruja, UMA (União de Mãe de Anjos) e em especial com as Secretarias Municipais de Saúde, elaborando estratégias para atender as famílias e buscando soluções para as problemáticas já existentes. Quinzenalmente, promove reuniões com esses grupos, com o objetivo de identificar possíveis dificuldades e aperfeiçoar o próprio atendimento da rede estadual de saúde.

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.