Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

PSICOLOGIA AO SEU ALCANCE

Flavio Melo Ribeiro (Foto: Arquivo Viver – Atividades em Psicologia) 
Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449  

Por muitos anos verifiquei que os meus clientes e demais pessoas que lutavam para superar os problemas com o uso de drogas se utilizavam do recurso de promessa para escapar do uso. Porém esse é um recurso frágil, pois a promessa no fundo acaba sendo como pequenas amarras que tentamos fazer no nosso corpo através do pensamento para que possamos evitar o uso das drogas, como que eu amarrasse os braços e mãos para não utiliza-la para tal fim. Mas são frágeis, pois depois de feita ela não passa de um pensamento que se encontra no nosso passado e para termos acesso precisamos tomar distância pensarmos novamente na promessa como algo que fizemos. A promessa passa a ser mais uma possibilidade para mim, como voltar a usar a droga é outra e também basta apenas um pensamento contrário para destruir todo esse aparato feito com toda boa vontade, basta pensar: vou usar só hoje, ou apenas mais uma vez, ou mesmo a célebre frase: vai ser a última vez que farei uso.  

Você leitor, pode até estar achando que quando a promessa é feita com uma grande carga de emoção ela é mais eficaz, mas não. A maioria das promessas nessa circunstância de uso de droga é feita porque a pessoa já está sofrendo de alguma forma e a faz com sinceridade, levando em consideração as pessoas que gosta e também estão sofrendo com a situação, mas mesmo assim a promessa é facilmente destruída. Então o que fazer. Primeiro é importante pensar de que forma as pessoas se motivam para qualquer coisa e em seguida verificar como manter essa motivação. 

Motivação, ou melhor, motivo para a ação. Não qualquer ação, mas as específicas que trazem como resultado o que a pessoa estava desejando. Isto quer dizer que o que nos motiva, é algo que está no futuro, ainda não se realizou e nem é garantia de vir a ser, mas mesmo assim, já existe em forma de desejo, indicando o que queremos para nos realizarmos. Esse futuro existe a ponto de mexer conosco, de alterar nossa emoção, nosso humor, de mobilizarmos outras pessoas a construírem junto. É essa relação com o futuro que precisa ser trabalhada com o usuário de drogas e se possível com seus familiares. Verificar com o interessado em parar com o uso das drogas o que