Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Segurança na orla do Janga é reforçada durante as férias

Visando aumentar a segurança de quem frequenta a Orla do Janga, em Paulista, a Secretaria de Segurança Cidadã e Defesa Civil levou o Projeto Patrulha Cidadã às praias do Paulista. A ação teve início neste domingo (08.01), e deve acontecer durante todo o período das férias, ao longo dos dois quilômetros da orla marítima sempre das 8h às 16h, com um efetivo de policiais militares do 17º BPM, guardas municipais, agentes de trânsito e bombeiro civil.

Em parceria com a prefeitura, a PM assegura que o objetivo é devolver a sensação de segurança e tranquilidade à população que frequenta a praia. “Já trabalhamos em conjunto com a prefeitura com o projeto Crack, é Possível Vencer, em Maranguape I. E trazer essa parceria para a orla faz com que a população possa aproveitar o lazer, pois atualmente a criminalidade está em alta, e juntos, fazemos esse trabalho para dar mais tranquilidade e segurança para a sociedade”, declarou a Sargento do 17º,  Joana D'arc, uma das coordenadoras da ação.



Dentre os frequentadores da orla, estava a doméstica Gertrudes Mimote da Silva. Ela mora no Conjunto Praia do Janga há 28 anos e elogiou a iniciativa. “Muito boa essa ação, porque a gente sempre tem receio. Quando a gente vem caminhar aqui na praia não pode trazer celular, não pode trazer nada, porque o pessoal que usa drogas pratica assaltos, leva o celular da galera...Aqui, a partir das 17h já não é mais viável. E essa ação dá uma tranquilidade, mas era bom que continuasse”, opinou.

O casal de empresários Ricardo Carvalho, de 50 anos, e Carla Carvalho, de 36, contaram que moram na orla há dois meses, e gostaram muito da ação. “A gente espera que continue, até mesmo durante os outros dias da semana. Pois, a turma aqui estava se queixando muito de assaltos. Essa semana mesmo eu soube que um homem em uma moto tentou assaltar uma moça na entrada de nosso prédio”, relatou Ricardo. “A gente morava em Pau Amarelo, mas sempre frequentamos orla aqui. Mas a falta de seg