Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Assalto no ônibus Macaxeira/ Pelópidas

Um  estudante foi assaltado na noite dessa segunda-feira (20) enquanto voltava da universidade, no ônibus da linha Macaxeira/ Pelópidas. Ele teve o celular roubado, quando o coletivo trafegava  na BR101, e ficou muito chateado com o ocorrido. Casos desses estão se repetindo cada vez mais. O Blog Paulista Atualizado alerta aos internautas que evitam jogar ou usar o tempo todo o celular no coletivo.

Associação dos Advogados Previdenciários elege novo presidente

O sócio do escritório Reis & Pacheco Advogados, Almir Reis, é escolhido por maioria para ficar à frente da entidade, recém criada em Pernambuco. Na pauta, fortalecimento da advocacia previdenciária no estado, além de rumos e soluções para a Reforma da Previdência


Almir Reis, sócio do escritório Reis & Pacheco Advogados, foi eleito por unanimidade como presidente da Associação dos Advogados Previdenciários, recém-criada em Pernambuco. Na pauta de trabalho, além do fortalecimento da advocacia previdenciária em todo o estado, serão discutidos rumos e soluções para a proposta de Reforma da Previdência. O projeto da Reforma tramita na Câmara dos Deputados.

Almir Reis  participa quarta e quinta de Congresso Regional no Recife Praia Hotel, em Boa Viagem. Foto: Divulgação
Uma primeira agenda, a frente da entidade, já está confirmada. Quarta (22/02) e quinta (23/02), o advogado especialista no assunto participa do 3º Congresso Regional de Direito Previdenciário. Realizado pelo Instituto dos Advogados Previdenciários (IAPE) em Pernambuco, o encontro acontece no Recife Praia Hotel, em Boa Viagem, e é voltado ao público jurídico. No encontro, Almir Reis – que também é professor e palestrante - vai presidir mesa de debates, onde serão discutidos temas como déficit e reforma previdenciária, aspectos polêmicos da aposentadoria rural e espécies de crimes na perícia médica previdenciária.

Arena Gastronômica do Carnaval do Recife começa a funcionar nesta quarta-feira

A abertura da arena será animada por banda de frevo e pelo bloco carnavalesco Eu Só Como na Rua, organizado pela Abrasel Pernambuco

Foto: Divulgação
Tem início nesta quarta-feira, 22 de fevereiro, a 11ª edição da Arena Gastronômica do Carnaval. Realizada pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Turismo e Lazer, e com coordenação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes seccional Pernambuco (Abrasel-PE), o ambiente vai funcionar na Rua do Observatório (Entre a Rua do Brum e Cais do Apolo), até 1º de março.

A arena tem estrutura para acomodar cerca de 400 pessoas. Entre lanches rápidos e refeições, o folião pode optar entre onze estabelecimentos: Nordeste Sabor (Casa da Macaxeira), Comadre Coxinha, Hakata, Espetinho da Ceça, Rei das Coxinhas, Republica dos pasteis, My Burger, Taberna Portuguesa, Plim Restaurante, Thasty e Villa Açaí.

"A Arena Gastronômica faz tanta parte do carnaval pernambucano quanto o frevo, pois quando o folião precisa dar uma trégua na festa do Recife Antigo, sabe que tem um local seguro e com infraestrutura para recebê-lo bem”, afirma o presidente da Abrasel Pernambuco, André Araújo. O horário de funcionamento da arena será das 15h às 23h (dias 22 e 23/02) e das 15h às 2h (de 24/02 à 1º de março).

EU SÓ COMO NA RUA – O já tradicional bloco carnavalesco Eu Só Como na Rua, organizado pela Abrasel Pernambuco, sai em desfile pelo Recife Antigo no dia 22, durante a abertura da Arena Gastronômica do Carnaval. A concentração acontece a partir das 15h. O bloco que reúne associados, chefs e amantes da gastronomia será animado por uma orquestra de frevo. Dentre os vários sucessos que entoarão a folia, está o hino da agremiação, com letra de Marrom Brasileiro e música do Maestro Spok (Ouça no site https://www.sendspace.com/file/dw54rf). A camisa do bloco custa R$10 e pode ser adquirida na sede da Abrasel-PE (Rua Ernesto de Paula Santos, 1368 – sala 902 - Boa Viagem). É possível, ainda, fazer a reserva pelo telefone (81) 3465-7570.


SERVIÇO:
Arena Gastronômica:
Horário de funcionamento: 22 e 23/02, das 15h às 23h
de 24/02 a 1º de março, das 15h às 2h.  
Local: Rua do Observatório (Entre a Rua do Brum e Cais do Apolo)

Quando crianças desafiam os pais além do normal

A luta como mãe na vida de Emanoele Freitas começou com o seu filho aos dois anos de idade. Mesmo desde bem pequeno, já apresentava um comportamento desafiador fora do normal. Segundo ela, parecia que a criança testava o tempo todo a paciência e a autoridade.

- Toda criança nessa idade tem um desafio natural em relação aos pais, pois estão mudando e criando sua autonomia, mas a dele fugia a esse requisito, ia além. Não sabia como lidar no início - relata.

Emanoele conta que nunca foi a favor de bater nos filhos, mas que aquela situação passava dos limites da capacidade de lidar. Mesmo disciplinando o menino, nada surtia efeito. Ela diz que teve de ouvir pessoas fazendo comentários do tipo: “se fosse meu filho dava logo um jeito”; ou “se fosse meu filho ele não faria isso” ou “como mãe é muito mole, quando ele crescer vai bater em você”, entre tantas outras falas.

- Certa vez ao bater no meu filho, ele virou para mim chorando e perguntou o porquê daquilo. Sem saber o que responder, comecei a chorar junto e pedi perdão - diz.

Depois desse episódio, ela procurou médicos e descobriu que, além de ser autista, o filho tinha o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD). Foi quando os profissionais de saúde recomendaram administrar medicação prescrita. “Aos 6 anos de idade, houve uma grande redução da agressividade. Quando ele atingiu os 8 anos, conheci a terapia cognitiva comportamental”.

Por meio da terapia, Emanoele conta que começou a mudar o jeito de ser e a forma como lidava com o filho. Ela iniciou as técnicas de antecipação, prevendo uma possível mudança no comportamento do filho, reforçador positivo, mostrando que o filho agiu de maneira correta em uma situação, e buscou não fazer tanto o reforçador negativo, falar o que ele fez de errado. “Foi muito difícil no início, eram horas de "luta", momentos que machucavam a mim e a ele emocionalmente. Mas tudo isso é para o bem dele”.