Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Em Paulista, São João 2017 está quase pronto e vai privilegiar cultura de raiz

A Prefeitura do Paulista está finalizando toda a programação para as festividades do tradicional Paulistar 2017, o São João do município. De acordo com Fabiano Mendonça, secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Cultura, o projeto já esta pronto, finalizando inclusive a captação de recursos junto aos parceiros dos Governos Federal, Estadual e da iniciativa privada.

Foto: Prefeitura do Paulista
O Paulistar vai durar este ano quatro dias, de 22 a 25 de junho, quando a Praça João Pessoa, bem no coração da cidade, se transforma em um imenso Arraial, contando com palco, praça de alimentação, com barracas padronizadas, camarote com acessibilidade para deficientes e diversos serviços públicos para facilitar a vida dos cerca de 160 mil brincantes que devem passar pelo local.

Um cuidado que a organização do evento está tomando é o reforço da segurança. Para tanto, câmeras estarão videomonitorando o polo de animação, bem como as ruas do entorno, com o a participação efetiva do 17º Batalhão da Policia Militar, o pessoal de apoio de palco, Corpo de Bombeiros e Conselho Tutelar, que estarão garantindo maior tranquilidade às famílias que vierem participar da grande festa.

Para Fabiano Mendonça, a determinação do prefeito Junior Matuto é que este ano a festa seja ainda mais “caprichada”, meio que para compensar o ano passado, que por conta da tempestade que atingiu a cidade e trouxe transtornos e prejuízos aos moradores, não foi realizada. “Nós vamos fazer uma das maiores festas juninas que os paulistenses já viram. Com festival de quadrilhas, barracas padronizadas, serviços públicos e segurança, tudo isso ao som do autêntico forró. Mas tudo isso, com o menor custo possível para o município. Para isso, estamos buscando apoio financeiro com diversos parceiros”, adiantou o secretário.

A equipe de organizadores, junto com o prefeito Junior Matuto, está negociando a vinda de artistas regionais. No entanto, os nomes estão sendo mantidos em segredo. “Vamos privilegiar o autêntico forró. Estamos buscando nomes de peso para abrilhantar nossa festa. Claro que não vamos esquecer dos artistas da nossa terra. Paulista é um verdadeiro celeiro de talentos. Então, nossa programação está sendo negociada, mas ainda é cedo para adiantar nomes. Mas podem ter certeza que Paulista vai se superar este ano, com uma festa bonita, segura e de qualidade”, finalizou. 

Mudas da Mata Atlântica simbolizam vida às vítimas da violência no Tururu

Foto: Coletivo Tururu



Quarenta jovens exterminados no Tururu, na cidade do Paulista, foram homenageados durante o ato ‘uma planta a cada vida’ por 40 mudas da Mata Atlântica: pau-brasil, ipê e outras, plantadas em um terreno ocioso abandonado com lixo urbano na margem da mata do bairro.  Promovido pela campanha ‘Eu não quero ser o próximo’, o Coletivo Tururu recolheu os nomes das vítimas, pesquisadas com o apoio da comunidade. No ato não foi levado em conta a temporalidade. Casos ocorridos há cinco anos também foram citados.

O Coletivo é formado por moradores do Tururu, desde 2007, que buscam uma cultura de paz no local. Um dos integrantes, o pedagogo André Fidélis, participa do movimento e plantou uma muda para simbolizar a vida. Crianças da creche escola Nossa Senhora do Ó e da Casa Herbet de Souza; alunos da escola José Manoel de Queiroz também participaram do ato.

Representantes da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura do Paulista e do vereador Fábio Barros (PSB) estiveram presentes. O vereador, que é especialista em Violência Doméstica pela Universidade de São Paulo (USP), participará como debatedor de uma audiência pública sobre os caminhos da comunidade sem violência. 

A audiência será realizada pelo Coletivo Tururu e Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe), presidida pelo deputado estadual Edilson Silva (Psol), na quadra poliesportiva do bairro, às 9h, no próximo dia 24 de maio. 

Programação
20 de maio
Exposição de Fotografia dos alunos da oficina de fotografia do Coletivo Tururu
18h | Associação dos Moradores do Tururu

24 de maio
Audiência pública do Coletivo: Os caminhos da comunidade sem violência
9h | Quadra poliesportiva do Tururu 

Projeto Forró dos Cangaceiros - aula espetáculo de Assisão e do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião percorre o estado pernambucano

A segunda edição do projeto Forró dos Cangaceiros - aula espetáculo de Assisão e do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião percorre as escolas estaduais pernambucanas neste mês e no mês de junho. A cidade escolhida para a estreia é Tuparetama, no sertão de PE. O evento acontece neste sábado (6), a partir das 20h, no Balaio Cultural, para a escola EREM Cônego Olímpio Tôrres.

Nesta edição, o cantor Assisão convidou o Grupo Cabras de Lampião para reforçar o projeto, que consiste em apresentações musicais e aulas sobre a cultura nordestina, como os ritmos xaxado, forró pé de serra, forró dos cangaceiros e forró autêntico. “O evento tem como objetivo reafirmar nossos valores fundamentados na identidade cultural sertaneja, sobretudo ao ciclo junino, tendo como ponto de partida a musicalidade e o ritmo da obra de Assisão, numa interação estética e inovadora com a poesia e a dança do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, resultando num espetáculo emocionante e de beleza singular”, revela Cleonice Maria, coreógrafa e diretora da aula espetáculo, além de presidente da Fundação Cultural Cabras de Lampião. O projeto conta na produção com 25 pessoas e é patrocinado pelo Governo e Secretaria de Cultura de PE, Fundarpe e Funcultura.

Serviço:

Projeto Forró dos Cangaceiros - aula espetáculo de Assisão e do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião
Local: No Balaio Cultural, para a Escola EREM Cônego Olímpio Tôrres, na cidade de Tuparetama, no sertão pernambucano 
Dia: Sábado (6)
Horário: 20h
Informações: (87) 3831-3860 (Museu do Cangaço) e (87) 99938-6035 (Cleonice Maria).

ROTEIRO DAS CIDADES

Dia 6 de maio
TUPARETAMA: No Balaio Cultural, para a Escola EREM Cônego Olímpio Tôrres. 20h.

Dia 22 de maio
CALUMBI: Escola de Referência em Ensino Médio Antônio Gomes de Lima. 10h.

Dia 29 de maio
CAMARAGIBE: Escola de Referência Tito Pereira de Oliveira. 10h.
VICÊNCIA: Escola Dr. Joaquim Correia. 16h. 
  
Dia 30 de maio
ALIANÇA: Escola de Referência Joaquina Lira. 10h.
LIMOEIRO: No Galpão das Artes, para a Escola de Referência Dr. Sebastião de Vasconcelos Galvão. 20h.

Dia 1º de junho
CARNAÍBA: No Patamar da Igreja Santo Antônio, para a Escola de Referência no Ensino Médio Joaquim Mendes da Silva. 20h.

Dia 6 de junho
CUSTÓDIA: No EREM – Escola José Pereira Burgos. 10h.


ASSISÃO - Francisco de Assis Nogueira, Assisão, nasceu no dia 05 de maio de 1941, na Fazenda Escadinha, município de Serra Talhada/PE. Já aos 11 anos de idade, começou as suas atividades artísticas como compositor. Embora não tenha nenhuma formação em música, é exímio compositor, tendo sido chamado por Dominguinhos de “o maior sanfoneiro de boca do Nordeste”, tal sua versatilidade em compor sem ter conhecimento musical. Declara Assisão não saber ao certo como faz as músicas. “Quando menos espero, elas já estão prontas, saem naturalmente”. Possuidor de uma enorme sensibilidade, ele é capaz de saber antecipadamente quais as músicas que farão sucesso. O início de suas atividades profissionais como cantor começou com o lançamento de um compacto e atualmente já gravou vários discos. Seus maiores sucessos, no entanto, aconteceram nos anos de 1987, 1988 e 1989. No trabalho de 1987, foram vendidas cerca de 210 mil cópias. Em 1988, 180 mil cópias e em 1989, 190 mil. Somente nestes anos foram quase 600 mil cópias vendidas de seus trabalhos em todo país, o que o concedeu três “discos de ouro” consecutivos e o título de “Rei do Forró”. As músicas dele são tocadas em todas as regiões do Brasil. Das 600 canções autorais, 200 já foram gravadas por outros artistas.

GRUPO DE XAXADO CABRAS DE LAMPIÃO - É o maior divulgador desta dança e mantém a originalidade e autenticidade conforme criada pelos bandoleiros do sertão. Durante esses longos anos, eles têm se apresentado em mais de quinhentas cidades e feito participações em documentários, reportagens, entrevistas, séries de TV e produtoras de diversos países, como França, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Venezuela e Bélgica. É uma trupe de artistas sertanejos – exatamente da cidade que nasceu Virgulino Ferreira da Silva, o LAMPIÃO – que reproduzem no palco como os cangaceiros se divertiam nas caatingas, nos intervalos dos combates. O Grupo de Xaxado Cabras de Lampião trouxe os cangaceiros para frente das luzes e o cangaço se transformou num show de arte com uma nova e revolucionária imagem do Rei do Cangaço. É um espetáculo que conduz o expectador a um mergulho no mundo mágico e místico do sertão. Com músicas ao vivo – sanfona, triângulo e zabumba –, com um repertório do cangaço e de MPB, além de uma indumentária semelhante a dos cangaceiros, a saga de Lampião é mostrada de forma envolvente.  

3ª Mostra Pajeú de Cinema divulga programação completa

Evento exibirá 46 produções brasileiras, 22 inéditas no estado, em sete dias de programação; mesas, debates e oficinas completam o evento com atividades de formação e reflexão


Durante sete dias o Cine São José voltará a ser um centro de exibição e reflexão de filmes. De 14 a 20 de maio se realiza em Afogados da Ingazeira (sertão de Pernambuco) a terceira edição da Mostra Pajeú de Cinema. A programação completa, distribuída em programas, dias e horários, pode ser vista em detalhes a seguir. Serão exibidos 37 curtas e nove longas-metragens, totalizando 46 filmes de dez estados, 22 deles inéditos em Pernambuco. Com direção de William Tenório e Bruna Tavares, a mostra é gratuita e ainda conta com mesas, debates e oficinas. A curadoria é do crítico e pesquisador André Dib.
Os filmes apontam para lugares específicos onde a MPC busca estabelecer sua identidade, entre o debate político-social e a criação cinematográfica. Entre os títulos inéditos em PE estão os curtas "Diamante – o bailarina”, “O estacionamento”, “Ferroada”, “Não me prometa nada”, “Impeachment” e “Vazio do lado de fora”, este último, selecionado para o próximo Festival de Cannes. Outros títulos importantes da recente produção brasileira são “Estado Itinerante”, “Aqueles que ficam”, “KBELA” e “Solon”. Do estado serão exibidos "Na missão, com Kadu", "Ainda me sobra eu", "FotogrÁfrica", "A ilha no meio do mundo", "Iluminadas" e, de São José do Egito, o inédito “Luz, Câmera, Carona!”.
A mostra de longas este ano amplia o foco para filmes brasileiros, apresentando obras urgentes como “Entre os homens de bem”, crítica ao ultraconservadorismo do Congresso Nacional, sob o ponto de vista do deputado Jean Wyllys; a ficção maranhense “Lamparina da Aurora”, em homenagem de Frederico Machado a seu pai, o poeta Nauro Machado; “Precisamos falar do assédio”, eficiente forma de tratar o tema de violência física e simbólica contra a mulher; e “Um Filme de Cinema”, nova e instigante abordagem de Thiago B. Mendonça para o cinema infantil.
De Pernambuco, “Martírio” e “Joaquim” olham de maneiras bastante próprias para a formação da sociedade brasileira e seus amargos sintomas que reverberam no agora. Rodado no sertão do Pajeú e da Paraíba, “O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras” parte do mote específico – a pessoa e os versos de Severina Branca – para fazer um panorama da poesia na região.
Mesas – No dia 16 de maio a programação contará com a mesa “Cinema, Educação e Direitos Humanos, formada por Rosinha Assis (Recifest), Anna Andrade (Mulheres no Audiovisual PE e Cartas ao Mundão) e Alexandre Pankararu (Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo); no dia 17 de maio a mostra terá a mesa “Cinema, luta e resistência composta por Elaine Una (Cineclube Casa Farol e Movimento #OcupeCineOlinda), a jornalista Priscila Urpia (Cineclube CineRua / Movimento #CineRuaPE) e o realizador Pedro Severien (Ocupe Estelita). Já no dia 18 de maio será discutido o protagonismo dos negros e negras no cinema com a mesa “Participação e representação do negro no audiovisual”, formada pela atriz Dandara de Morais, a realizadora Juliana Lima (Mulheres no Audiovisual PE) e Igor Travassos (produtor, realizador e cineclubista).
Filme de abertura – A exibição do longa-metragem “Quelé do Pajeú” (Brasil, 1969), de Anselmo Duarte (“O Pagador de Promessas”), filme dado como desaparecido até ano passado, quando foi encontrado na Itália. Trata-se do primeiro filme rodado em 70 mm e som estéreo, uma história de vingança no sertão protagonizada por Jece Valadão, Rosana Ghessa e Tarcísio Meira. Na ocasião será feita uma homenagem ao produtor do filme, Ruy Pereira.
#CineRuaPE – O Cine São José é a casa da MPC e nele temos um dos poucos cinemas de rua em atividade no país. Fundado em 1942, ele passou por várias mudanças e chega ao século 21 com dificuldades para continuar funcionando, à espera da modernização técnica para entrar na era digital. Para provocar novas ideias e ações neste sentido, foi concebido em parceria com o Movimento #CineRuaPE um programa especial com exibições e debates com especialistas, marcado para a manhã de sábado (20).
Sessão Abraccine - No domingo (14) será exibido o documentário “Outro Sertão”, de Adriana Jacobsen e Soraia Vilela, conectando a MPC ao circuito de exibição promovido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) em dez cidades brasileiras. O filme trata de forma poética o resultado de dez anos de pesquisa sobre os anos do escritor Guimarães Rosa na Alemanha nazista, onde atuou com Cônsul do Brasil em Hamburgo. Após a sessão, haverá debate com o professor de história José Rogério Oliveira (FASP) e André Dib (curador da MPC).
Oficinas - As oficinas da 3ª MCP serão realizadas entre os dias 8 e 13 de maio. Ao todo quatro oficinas serão ministradas na Secretaria Municipal de Assistência Social de Afogados de Ingazeira: captação de som, edição, produção e crítica de cinema, distribuídas nos turnos da manhã, tarde e noite.
A 3ª edição da Mostra Pajeú de Cinema é organizada pela Pajeú Filmes, com incentivo do Funcultura / Fundarpe, Secretaria de Cultura do Governo do Estado de Pernambuco e conta com apoio da Prefeitura de Afogados da Ingazeira, Vilarejo Filmes, Rádio Pajeú AM e Movimento #CineRuaPE.
Serviço
3ª Mostra Pajeú de Cinema
Quando: 14 a 20 de maio de 2017