Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Alunos da FMO vão atuar em Abreu e Lima  

A Faculdade de Medicina de Olinda (FMO) assinou na manhã de hoje (04/08) convênio de cooperação técnica com o município de Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife. A partir de agora, os alunos da instituição de ensino podem realizar estágios de graduaçãonas unidades de saúde gerenciadas pela Secretaria de Saúde da cidade.

 

“Essa será uma excelente oportunidade de conhecimento para os nossos alunos. O treinamento prático, além da vivência científica e de relacionamento com a comunidade são fatores importantes na formação”, explica Tereza Miranda, coordenadora de Relações Institucionais da FMO. “O estágio é um complemento na aprendizagem, além de ser uma etapa importante na graduação dos alunos”, complementa.

 

Segundo Inácio de Barros Melo Neto, diretor geral da FMO, os estagiários da FMO em Abreu e Lima devem se integrar aos programas de saúde e prevenção desenvolvidos no município por meio da Secretaria de Saúde. Durante o estágio, os futuros médicos irão desempenharfunções em ambulatórios e hospital.

 

Para a cidade de Abreu e Lima, segundo explica a secretária municipal Sônia de Arruda de Oliveira, a maior vantagem é que esses estudantes também reforçam o atendimento à população. "Ao mesmo tempo em que estão tendo uma experiência pratica no curso de medicina, também estão dando suporte aos nossos médicos no cuidado com a saúde da nossa população", reforça.

Políticas públicas equivocadas e preconceito são os maiores problemas do crack

Autor do livro “Crônicas do Crack”, a ser lançado em agosto, Luis Marra retrata as várias realidades dos usuários em São PauloSubtítulo

Assista a depoimentos em:www.youtube.com/watch?v=47NIEsOO6qA

Há muitos equívocos e preconceitos propagados a respeito do crack, prontamente rebatidos por quem teve contato direto com o universo da droga. Seu consumo é amplamente disseminado, independente de classe social.

Há anos convivendo com usuários do crack em seu trabalho, o escritor e médico psiquiatra Luís Marra tem opiniões fortes sobre o assunto. Para ele, "a cracolândia continuará migrando, pois é um lugar em que se tem a ilusão de liberdade plena, que atrai gente de todas as classes. Enquanto as autoridades se preocuparem mais com o lugar e não com as pessoas, a cracolândia resistirá".

A realidade de usuários intensos desse psicoativo inspirou Luís Marra a escrever suas Crônicas do Crack, livro que a editora Hedra lança no dia 17 de agosto.

Autor também de “O Coletivo Aleatório” e “O Diário Perdido do Jardim Maia”, no campo literário, além de obras de referência sobre o assunto, Marra acredita que os maiores perigos a seremcometidos no combate à droga são as políticas públicas equivocadas, que não levam em consideração as peculiaridades da dependência do crack, e o preconceito, que atinge toda a sociedade, inclusive médicos e os próprios usuários. “O pior do crack é, sem dúvida, sua devastadora dependência”, acrescenta Marra.

“Crônicas do Crack” é um livro de relatos – em formato de crônica, conto-crônica ou depoimentos estilizados – que retrata de maneira literária os usuários de drogas psicoativas, mais efetivamente o crack, a partir de depoimentos que autor colheu ao longo de 15 anos nos quais vem trabalhando como médico na Zona Leste de São Paulo.

O livro também se destaca por incluir a descrição do “making of” das crônicas, os bastidores (depoimentos pessoais, observações, opiniões, dados complementares) da obra.

Marra passou a ter contato com o mundo do dependente ao visitar uma cracolândia na região de São Miguel Paulista. Depois disso, iniciou um projeto de teatro na comunidade e verificou o poder curador da arte entre essa população.

Em “Crônicas do Crack”, ele retrata de maneira crua a vida sombria de figuras trágicas que precisam de ajuda em sua desesperada luta contra o vício. Gente como os muitos usuários que hoje se encontram espalhados pela cidade, após uma temerária operação deflagrada pelo governo paulista na região conhecida como Cracolândia.

Sobre o livro

Se o cronista é um “farejador do cotidiano”, como distingue Antônio Cândido, a matéria-prima de Luis Marra é bruta, retirada da periferia, onde as benesses mais básicas da sociedade organizada – saúde e educação – estão longe de serem satisfatórias, e a presença do tráfico é parte do cenário.

Como médico, Marra tem uma missão. Como escritor, ele se aproxima de um gênero que disseca as mazelas sociais e filia-se a um caminho entre o documental e o literário, já percorrido por nomes como Zuenir Ventura e Drauzio Varella.

Mas o que ele pretende com suas Crônicas do Crack não é o engajamento intelectual em prol de uma causa, que poderia retirar do livro todo o seu encanto. Entre um e outro relato, emergem personagens que fazem vislumbrar a vida além do crack: relações afetivas, epifanias, o embate entre a culpa e o prazer.

“A crônica não é expressão da verdade”, explica o autor. “Ao contrário, ela é uma verdade da expressão armada como se fosse a realidade.”



Olinda é pioneira em ação que vacina cães e gatos de moradores de rua

O Centro de Vigilância Ambiental de Olinda (Cevao) apresentou em reunião um projeto pioneiro posto em prática nos bairros do município durante a Campanha Nacional de Vacinação Animal de 2017. A iniciativa consiste na vacinação de cães e gatos de moradores em situação de rua. O encontro foi no Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMVPE), no bairro do Zumbi, Recife. O órgão pretende levar a experiência praticada por Olinda para outros municípios da Região Metropolitana do Recife.

 

Na reunião, a pauta foi sobre a iniciativa de vacinar os animais dos moradores em situação de rua. O gerente do Cevao, Henrique Eduardo Silva, explicou a atividade. “Em parceria com CR, que nos forneceu o georeferenciamento dos moradores de rua, conseguimos identificar esses animais e imunizá-los”, disse, informando que na ação vacinou 50 cães e 20 gatos em situação de vulnerabilidade. Representando a Prefeitura de Olinda estavam também a chefe de gabinete da Secretaria de Saúde, Kalina Siqueira, e o coordenador do Consultório na Rua de Olinda (CR), Mário Costa.

 

Participaram ainda do encontro, o vice-presidente do (CRMVPE), Geraldo Vieira, e diretores da entidade; além do gerente do Centro de Vigilância Ambiental do Recife, Jurandir Almeida; o professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Daniel Friguglietti Brandespim, e segmentos dessa instituição de ensino, bem como representantes de Organizações Não Governamentais Protetoras de Animais. 

 

VACINAÇÃO ANIMAL – Olinda superou a meta (80%) estabelecida pelo Ministério daSaúde na Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica. Dos 46.817 cães e 8.860 gatos existentes na cidade, a Secretaria de Saúde vacinou a mais 4% da população canina e 18% da felina, em comparação ao ano de 2016. 

A vacinação contra raiva animal continua em Olinda e, a novidade é que a nova gestão está disponibilizando a imunização de segunda a sexta-feira, das 8 às 16h, no Centro de Vigilância, localizado na PE-15, Cidade Tabajara. Outras informações pelo fone: 3301.5228.

Gestor do Paulista apresenta pleitos na área de segurança pública ao ministro da Justiça

O secretário de Segurança Cidadã e Defesa Civil do Paulista, Manoel Alencar participou nesta quarta-feira (02.08) de uma audiência com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, em Brasília. O gestor, que preside o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Segurança (CONSEMS), aproveitou a oportunidade para apresentar diversos pleitos de interesse dos municípios no âmbito nacional. Ao todo, nove itens entraram na pauta.

Na visão de Alencar, os municípios precisam ter mais espaço na construção do Plano Nacional de Segurança, viabilizando que ele possa alcançar todas as cidades brasileiras. Outra questão considerada relevante é a criação de um Fundo Tripartite, envolvendo União, Estado e Município, pelo qual seja assegurado o percentual de 40% para os municípios, já que é nele onde acontecem as situações que atentam contra a ordem pública.

Como forma de mostrar que boas iniciativas aliadas a capacidade técnica de execução podem dar certo, o gestor de Paulista e presidente do CONSEMS fez questão de apresentar ao ministro da Justiça os resultados alcançados pela gestão municipal com o Sistema de Monitoramento; e pelo aplicativo de segurança “Paulista Conectado”. Manoel Alencar também mostrou a experiência da prefeitura com a construção do Plano Municipal de Segurança e Prevenção à Violência Contra a Juventude.

Após ser recebido pelo ministro, Manoel Alencar avaliou o encontro como positivo. “Estou deixando Brasília com a sensação de que a audiência foi muito produtiva etrouxe boas perspectivas de avanço na segurança pública. Temos convicção de que Paulista está no caminho certo nesse quesito, inclusive, saindo da frente com a entrega do plano municipal de segurança ao ministro. A construção desse documento com os fóruns nos bairros foi uma determinação do prefeito Junior Matuto”, salientou.

Ainda participaram da audiência o secretário Nacional de Políticas Sobre Drogas, Cel. Humberto Viana; e a diretoria do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Segurança.

CONFIRA OS PLEITOS APRESENTADOS NA AUDIÊNCIA:

1- A Criação do Fundo Tripartite, União, Estados e Municípios, pelo qual seja assegurado o percentual de 40% para os Municípios, tendo em vista que é no município que ocorrem as situações que atentam contra Segurança Pública;

2- Ampliação das discussões a cerca do Plano Nacional de Segurança Pública para que o mesmo alcance a todos os municípios;

3- Implantação e implementação do Programa Crack é Possível Vencer nos municípios com 50 mil habitantes, tendo em vista a importância da prevenção à violência e ao tráfico de drogas;

4- O Decreto Federal n.º 9.044, de 03 de maio de 2017, que cria órgãos consultivos no Ministério da Justiça e Segurança Pública não prevê assento ou colegiadoaos Secretários de Segurança Pública Municipais, impedindo a efetiva participação no Plano Nacional de Segurança Pública;

5- O Decreto Federal nº 8.938/2016 não inclui as Guardas Municipais para possibilitar o recebimento de armas apreendidas, mesmo que de calibres permitidos;

6- O porte de arma das guardas municipais atualmente é condicionado aos convênios com a Polícia Federal e de renovação individual a cada guarda e sujeito a restrições quando das renovações, existindo ainda limitações, pela lei do desarmamento, quanto à sua concessão dependente do tamanho do município;

7- O calibre permitido de armamento é restrito, limitando a aquisição e poder de fogo das guardas;

8- Não existe hoje nenhuma linha de financiamento para a ação de segurança praticada pelas guardas municipais, que por ideal, seria haver um repasse fundofederal a fundo municipal diretamente;

9- Diversos convênios firmados e com contrapartida efetivada foram unilateralmente cancelados pelo MJ.

Silvio questiona multa de 100% sobre IPVA em atraso

O deputado Silvio Costa Filho (PRB), líder da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco, questionou na reunião plenária desta quinta-feira (3) a aplicação de multa de 100% sobre débitos do IPVA, a partir do 20º (vigésimo dia de atraso). “Recebemos no gabinete várias queixas da população denunciando essa cobrança. Não podemos aceitar um absurdo desse, que penaliza a população e o setor produtivo, num momento de crise onde todos tentam ajustar suas contas pessoas”, criticou.

O parlamentar lembra que, no caso do IPVA, a população está sendo penalizada duas vezes. “Primeiro porque, no começo do ano, o governador Paulo Câmara antecipou o vencimento do imposto para fevereiro, pegando o contribuinte de surpresa. Agora, quem atrasar terá que pagar dobrado”, reforçou.

Silvio sugeriu a realização de uma audiência pública, com a participação do secretário da Fazenda, Marcelo Barros, e do presidente do Detran, Charles Ribeiro, para discutir alternativas que não penalizem o contribuinte. “Na Bahia, por exemplo, a multa máxima é de 60% do imposto devido. E a cobrança é progressiva, de acordo com o tempo de atraso”, comparou.

“O governador Paulo Câmara não pode ter uma visão de secretário da Fazenda e pensar apenas em cobrar impostos. Ele tem que entender que um governador precisa pensar no que é melhor para os pernambucanos”, criticou.