Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Câmara aprova voto de aplauso a livro


Discutido pela segunda vez no plenário da Câmara do Recife, o requerimento 569/2018 de autoria do vereador Ivan Moraes (PSOL) concedendo voto de aplauso ao livro “Tá todo mundo enganado”, de Ubirajara Ramos, foi aprovado por 14 votos a cinco. O voto de aplauso tornou-se polêmico porque o livro trata sobre o uso medicinal da planta Cannabis sativa, popularmente conhecida por maconha. Na argumentação para aprovação o vereador lembrou que esta planta já era usada na Ásia há séculos na confecção de remédios, roupas e muitos outros. “Trata-se de preconceito por falta de informação. É obscurantismo”.

Ivan Moraes ressaltou que diversos países já legalizaram o uso da planta como Uruguai, e estados como a Califórnia, Colorado, bem como há empresas que comercializam suas ações em bolsas de valores porque fabricam remédios. Ele disse ainda que os filhos dos ricos podem comprar o remédio, mas os pobres não podem porque importar custa caro. “Está na hora de se discutir por que a planta foi proibida, qual é o mal real que pode causar.Todas estas perguntas são respondidas no livro do pesquisador, um auditor fiscal, que se debruçou sobre o assunto”.

André Régis (PSDB) frisou que esta é a segunda vez que a Casa discute o mesmo requerimento, o que é incomum, segundo ele. “A Câmara costuma aprovar esses votos de aplauso, mesmo sem concordar com eles. Aprovamos ideias contrárias às nossas. Independente de concordar com o conteúdo votei antes e voto agora favorável ao requerimento, porque assim estaremos sinalizando à sociedade que valorizamos o trabalho intelectual . Leiam os livros, discordem ou concordem, o que importa é a liberdade de pensamento”.

Jaime Asfora (MDB) ressaltou a importância de se respeitar a liberdade de pensamento, de expressão, de imprensa, lembrando que volta e meia querem controlar o pensamento e a liberdades civis garantidos pela Constituição.

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.