Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Especialista explica direito ao dano moral em decorrência de condenação por violência doméstica


Muito tem se discutido acerca da legislação que rege sobre a violência contra a mulher. No entanto, a tese aprovada por unanimidade no STJ sobre a reparação de natureza cível por meio de sentença condenatória nos casos de violência doméstica, ainda é uma matéria de ampla discussão entre juristas.
Segundo o especialista em Direito Processual Penal, sócio do escritório Cury & Cury Sociedade de Advogados, e professor do Centro Preparatório Jurídico (CPJUR), Rogério Cury, é aceitável o estabelecimento de uma nova sistemática que tenha como objetivo a celeridade na tramitação destes tipos de processos, no entanto é importante analisar alguns pontos relevantes e complexos acerca dessa orientação, que passa agora a nortear os tribunais de todo o país no julgamento de casos de violência contra a mulher ocorridos em contexto doméstico e familiar.
Inicialmente, o jurista alerta para a necessidade de verificar o preparo das câmaras criminais para agregar o enfrentamento destas questões, pois a nova orientação leva aos tribunais criminais uma competência cumulativa. "Então, segundo essa determinação, se o advogado desejar recorrer da sentença condenatória de danos morais, será possível ao jurista apelar no âmbito penal, e nesse ponto há uma disparidade na atuação do juizado", adverte.
Há ainda que se lembrar que o texto estabelece a condenação do réu por dano moral presumido associada à condenação do crime, e não determina a necessidade de um pedido expresso da parte ofendida na petição introdutória, descrevendo como desnecessária a instrução probatória específica sobre a ocorrência. "Quando se diz que há dispensa de prova de dano moral em casos de violência contra a mulher ocorridos em contexto doméstico e familiar, é importante salientar que em tese o réu já esta sentenciado, como conseqüência automática, ainda que sem especificação do valor", complementa o jurista.
Rogério Cury afirma que ainda há muito que se discutir sobre essa nova determinação como, por exemplo, o estabelecimento de valores para indenização de acordo com as condições financeiras do réu, ou a fixação de valor mínimo de indenização pelos danos morais, quando houver pedido expresso, ou ainda a determinação relacionada ao agravamento do crime.

Sobre O CPJUR
Com foco no desenvolvimento de estudantes e profissionais de todo o Brasil que buscam capacitação e aprimoramento de conhecimentos na carreira jurídica publica ou privada, o Centro Preparatório Jurídico (CPJUR) promove cursos para o Exame da OAB, Concursos Públicos e Pós-graduação nas modalidades presencial, telepresencial e online. Com investimentos na qualidade de seu corpo docente, formado pelos principais juristas do Brasil; profissionais de atendimento com vasta e comprovada experiência no segmento; salas de aula com padrão de excelência e moderna tecnologia de transmissão, visa oferecer soluções inovadoras e adaptadas às necessidades de mercado, com a personalização e atualização constante exigida pelo ramo do Direito.

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.