Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

CARTÃO E CHEQUE – Senador Fernando Bezerra faz apelo para Bacen reduzir juros que afetam classe média e assalariados


Brasília  – Vice-líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) reforçou, nesta terça-feira (10), apelo para que o Executivo – por meio do Banco Central (Bacen) – reduza “de forma sensível” os juros do cartão de crédito e do cheque especial. Dirigindo-se ao presidente do Bacen, Ilan Goldfajn, o senador também defendeu que o governo atue para estimular a concorrência bancária, o que, conforme destacou Fernando Bezerra, resultará na queda de taxas e serviços cobrados pelos bancos, facilitando o crédito e aquecendo a economia.

“A diminuição da Selic (taxa básica de juros da economia) tem que vir associada à redução dos juros para as famílias e não só às empresas”, ressaltou o vice-líder. “Precisamos dar um alento aos brasileiros; sobretudo, à classe média e aos assalariados”, acrescentou o senador, durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que discutiu as diretrizes, a implementação e as perspectivas da política monetária nacional. 

Em menos de 15 dias, esta foi a segunda vez que Fernando Bezerra defendeu publicamente – à alta cúpula do governo federal – o nivelamento de juros cobrados no Brasil a taxas praticadas em outros países. No último dia 27, também na CAE do Senado, o vice-líder pontuou ao ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, que os juros incidentes sobre o cartão de crédito e o cheque especial “ainda são absurdos”, mesmo tendo sido reduzidos, pelo atual governo, de mais de 400% para próximo de 300% ao ano.
No entendimento de Bezerra Coelho, não há justificativas para que estas taxas sejam superiores a 100% ao ano. “Especialmente, em um ambiente econômico favorável, como estamos percebendo nos últimos meses", afirmou.
Durante o debate na CAE do Senado – com a presença do chefe da Assessoria Econômica do Bacen, Fábio Araújo – o presidente do Bacen ressaltou que o índice atual da Selic (6,5% ao ano) alcança o menor patamar desde 1986. Esta e outras medidas conduzidas por Ilan Goldfajn à frente do Banco Central foram reconhecidas e elogiadas por Fernando Bezerra Coelho: "são acertos na agenda econômica”.
O senador ainda observou que, em 24 anos, a taxa de inflação chegou ao menor percentual, saindo de mais de 10% (em 1994) para 2,68% (índice abaixo do valor mínimo previsto para a inflação neste ano, projetada em 3%). “Graças, também, a medidas duras e amargas tomadas pelo Congresso Nacional, como foi o caso da aprovação do limite do Teto do Gasto Público (em dezembro de 2016)”, lembrou Fernando Bezerra.
De acordo com Ilan Goldfajn, o Bacen vem implementando medidas que impeçam o acúmulo de dívidas com o cartão de crédito. “Para que o cliente pague a totalidade ou o mínimo da fatura e evite que a dívida se transforme em uma bola de neve”, disse. Sobre o cheque especial, Goldfajn explicou que novas regras serão anunciadas pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

BANCOS – Em relação à concentração bancária no país, o presidente do Bacen afirmou que a orientação é para que a concorrência no sistema seja estimulada. As principais medidas adotadas, segundo Ilan Goldfajn, é o “empoderamento” dos médios e pequenos bancos – incluindo as cooperativas – e a valorização das fintecs, empresas financeiras ligadas à tecnologia que geram inovações no sistema financeiro.
O senador Fernando Bezerra Coelho também questionou o presidente do Bacen sobre as chamadas “operações compromissadas” a cargo do banco. Conforme observou o vice-líder, 1/4 da atual dívida pública brasileira corresponde às tais operações. Nova audiências públicas na CAE do Senado, com Ilan Goldfajn, estão programadas para ocorrerem novamente nas primeiras quinzenas de julho e outubro.

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.