Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Vereador Edmilson do Pagode faz balanço da semana

Nessa semana, tive a satisfação de estar junto com a nossa gente, que utiliza os serviços ofertados pelo Núcleo Comunitário do nosso mandato, em Arthur Lundgren II.

É uma alegria poder servir ao povo, como Vereador, mas acima de tudo, como cidadão. Os desafios são enormes, mas estamos aqui, para seguir lutando e acreditando que Paulista poder ser cada vez melhor.

#EdmilsonDoPagode
#PaulistaCadaVezMelhor

Miguel Coelho dá ordem de serviço para construção de creche em Petrolina

Com uma alta demanda por vagas para creche, o bairro do Antonio Cassimiro ganhará um reforço na educação das crianças da região. O prefeito Miguel Coelho assinou uma ordem de serviço, nesta sexta (26), para a construção de um novo Centro de Educação Infantil (CMEI) para a comunidade. As obras já começam na próxima semana e vão assegurar mais 250 vagas para os moradores da localidade.

A creche será erguida próximo à Associação dos Agentes Comunitários de Saúde (ACOSAP). Com 1500 metros quadrados, o novo CMEI contará com refeitório, fraldários, parquinho, sala de amamentação, solários, cozinha entre outras estruturas recomendadas pelo Ministério da Educação. A obra deve levar dez meses, portanto, o centro já atenderá a comunidade do Antonio Cassimiro no próximo ano.

Durante o anúncio das obras, o prefeito Miguel Coelho lembrou que a gestão municipal aumentou em 4 mil o número de vagas na educação infantil. O gestor ainda garantiu que a creche será apenas uma de várias ações para melhorar a infraestrutura da comunidade. “O Antonio Cassimiro precisa de muita coisa ainda. Vamos também investir em pavimentação, saneamento, lazer e outras necessidades que a população precisa e esperou por tantos anos. O novo CMEI representa, então, um novo momento para esse bairro”, destacou o prefeito.

O CMEI do Antonio Cassimiro receberá investimento de R$ 1,8 milhão numa parceria da Prefeitura de Petrolina com o Ministério da Educação. Além desse, outros nove centros serão construídos na capital do São Francisco a partir desse convênio com o MEC.

​FOTOS: Jonas Santos​

No Sertão, “Pernambuco Quer Mudar” leva 3,5 mil pessoas e demonstra força da oposição no Estado



O grupo de oposição em Pernambuco deu mais uma grande demonstração de força neste sábado (27), em Petrolina, no Sertão, ao reunir mais de 3,5 mil pessoas no segundo evento do “Pernambuco Quer Mudar”, realizado no espaço Coliseu Hall. O ato reuniu os senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (MDB), os ex-governadores Joaquim Francisco e João Lyra Neto (PSDB), os ministros Fernando Filho (Minas e Energia/sem partido) e Mendonça Filho (Educação/DEM) e o deputado federal Bruno Araújo (PSDB). Mais de 60 prefeitos e ex-prefeitos, 11 deputados – entre estaduais e federais - além de trabalhadores e empresários, compareceram à manifestação, sendo recebidos pelo chefe do executivo municipal, Miguel Coelho. O grupo programou para o dia 3 de março próximo evento, em Caruaru, no Agreste.

Em seu discurso, o ex-governador João Lyra Neto destacou que o encontro representa a unidade política em torno do futuro de Pernambuco. Já o ex-governador Joaquim Francisco ressaltou a experiência e história de todos os líderes em prol do desenvolvimento do Estado. Ex-ministro das Cidades, Bruno Araújo lembrou que, em outubro, os pernambucanos vão eleger um líder que guiará os destinos do Estado pelos próximos quatro anos. “Pernambuco vai às urnas para votar num líder. E foi isso que faltou em 2014, a eleição de um líder. Estamos aqui hoje para buscar, junto com os pernambucanos, um líder que vai devolver ao Estado o respeito e a liderança que precisamos. Vamos em frente com um Pernambuco novo”.

Deputado federal no terceiro mandato, o ministro Fernando Filho lembrou que todas as lideranças do grupo de oposição estão colocando os interesses pessoais em segundo plano para construir um projeto que faça o Estado voltar a crescer. “O passado foi bom, mas não volta mais. Estamos provocados a fazer alguma coisa nova, a apontar um nome novo, a construir uma aliança que possa colocar Pernambuco no lugar que merece”, enfatizou.

Para o ministro da Educação Mendonça Filho, o desejo de mudança dos pernambucanos é algo consolidado. Ele ressaltou a falta de articulação política da atual gestão, que não conseguiu avançar em relação aos anos anteriores. “Os pernambucanos já definiram que querem e vão mudar em outubro deste ano. Por isso, esse movimento vai na direção do povo. Estamos discutindo aqui um projeto novo para Pernambuco. Pernambuco como está, sem líder, sem direção, não pode continuar. E essa mudança não pode ser tarefa só das lideranças políticas. Tem que nascer e ser um movimento do povo e para o povo pernambucano. E quando o povo pernambucano quer, acontece”, afirmou.

O senador Armando Monteiro realçou que três palavras constituem a essência do grupo oposicionista: unidade, compromisso e convocação. “Esse projeto não pode ser só da classe política, esse é um novo tempo para Pernambuco, de novas posturas e atitudes, de oferecer uma nova agenda ao Estado. Estou pronto para assumir o compromisso de colocar os interesses do conjunto acima das ambições individuais. Na hora própria, vamos ter a capacidade de promover a decisão e me submeterei a essa decisão”, colocou.

Último a falar, o senador Fernando Bezerra Coelho ressaltou a força e unidade política em torno do grupo de oposições e garantiu que o sentimento de mudança nos pernambucanos é um caminho sem volta. “Esse grupo reúne biografias com um compromisso só: o de resgatar a autoestima dos pernambucanos. Saímos todos de Petrolina absolutamente unidos. Temos disposição, história, experiência e luta para enfrentar esse novo momento para Pernambuco”, cravou.

O “Pernambuco Quer Mudar” é o maior movimento de oposição já consolidado na história do Estado, reunindo até o momento os partidos: PSDB, DEM, PV, PRTB, PTB, PRB e Podemos.

Carta do leitor

A caça, o transporte, o armazenamento e a comercialização de caranguejo vem sendo proibida de janeiro a março deste ano, em diversas cidades brasileiras, porque o crustáceo está em período de reprodução e não podem ser retirados do manguezal.

A andada é o nome dado ao período reprodutivo do caranguejo-uçá, no qual os machos e fêmeas saem de suas galerias(tocas) para o acasalamento e andam pelo manguezal para a liberação de ovos, tornando-se vulneráveis a pesca predatória.

As pessoas conscientes podem colaborar com a preservação da espécie, não consumindo caranguejo neste período e denunciando o comercio nas feiras livres e estabelecimentos comerciais. 
IBAMA: 0800-618080. 

Fernando Melo – Professor.

-- 

Fernando Melo - Igarassu / PE
Professor e Ambientalista