Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

IPTU 2018

Pague até 2 de março e ganhe descontos até 20%. Parcela única.

Etanol: senador Fernando Bezerra e setor produtivo defendem álcool nacional a ministro da Agricultura

Etanol: senador Fernando Bezerra e setor produtivo defendem álcool nacional a ministro da Agricultura



Brasília, 20/02/18 – Atendendo a um pedido do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, recebeu, nesta terça-feira (20), representantes de produtores nordestinos de cana de açúcar e álcool. Durante a audiência – na sede do ministério, em Brasília – foi solicitada a manutenção da tarifa de importação sobre o álcool norte-americano.

“Manter a taxação sobre o etanol dos Estados Unidos significa valorizar o álcool nacional, apoiar os produtoresbrasileiros e reduzir o preço final pago pelo consumidor”, explicou Fernando Bezerra, ao final da audiência, da qual participaram os presidentes do Sindicato de Cultivadores de Cana de Açúcar de Pernambuco, Gerson Carneiro Leão; do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool (Sindaçúcar) de Pernambuco, Renato Cunha; e do Sindaçúcar de Alagoas, Pedro Robério Nogueira.

Em agosto do ano passado, o governo suspendeu a taxa de importação de 20% sobre o etanol dos EUA para volumes maiores que 600 milhões de litros ao ano. A medida contribuiu para o encarecimento do produto no Brasil e mobilizou representantes da cadeia produtiva em todo o país. Na avaliação do setor sucroalcooleiro, o fim da taxação prejudicará a rentabilidade e a produção nacional, que emprega mais de 260 mil trabalhadores só no Nordeste. 

De acordo com o Sindicato de Cultivadores de Cana de Açúcar de Pernambuco, os efeitos do fim da taxação são tão graves que fizeram o preço do açúcar brasileiro cair 5% no mercado internacional. Além disso, a entidade observa que o país – embora produza 39 milhões de toneladas de açúcar – só pode exportar, por ano, 160 mil toneladas do produto aos Estados Unidos.

O sindicato argumenta ainda que enquanto o Brasil produz etanol limpo, o produto importado é subsidiado e poluente. Ao final da audiência de hoje, o ministro Blairo Maggi disse que as considerações do setor serão analisadas e sinalizou uma visita dele a áreas produtoras de cana de açúcar e álcool, em Pernambuco.

 

Defesa Civil de Olinda concentra esforços nos altos do Sol Nascente e da Sé


Remoção de entulhos e limpeza de canaletas fizeram parte da ação

A Rua do Desejo, localizada no bairro do Alto Sol Nascente, recebeu nesta terça-feira (20.02), a equipe de trabalhadores da Secretaria Executiva de Defesa Civil (SEDC) de Olinda. O grupo de funcionários mobilizados na ação desenvolveu a capinação, remoção de entulhos e a desobstrução das canaletas da via.

O objetivo do serviço é melhorar as condições do local para facilitar o trânsito dos moradores e dinamizar o escoamento das águas provenientes das chuvas. Com esse propósito os homens da SEDC executaram a limpeza do sistema de drenagem.

Equipes também foram acionadas para atuar na Rua Bispo Coutinho, no Alto da Sé, um dos principais cartões postais da cidade. No local foi retirada uma árvore com risco de queda.

Fotos: Leonam Pereira/PMO

Tadeu Alencar: “Intervenção não é justificativa para excessos”


Brasília - Após votar favoravelmente à intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, o deputado federal Tadeu Alencar (PSB) alertou que a medida não pode servir de justificativa para possíveis excessos e defendeu que se estabeleçam mecanismos rígidos de acompanhamento da ação da Força Militar no Estado. 

 

Tadeu diz que seu voto a favor da intervenção se justifica pelo fato do próprio Governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), ter declarado incapacidade do Estado para o enfrentamento do problema, mas que a medida tem que ser tratada com responsabilidade.

 

“A garantia da segurança não pode ser confundida com o descumprimento das leis que protegem a cidadania, que respeitam a vida e direitos fundamentais da população”, observa.

 

Segundo Tadeu, para que se evitem ações que não observem direitos constitucionais, tanto o Estado quanto a sociedade civil organizada devem estabelecer mecanismos de fiscalização das ações.

 

O deputado pernambucano também voltou a