Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Projeto Samba na Comunidade

Acontecerá no domingo (18.03), entre as ruas 82 e 83, na praça em frente ao Mercadinho, em Maranguape I.


Ninho incentiva maior uso da energia solar no Brasil


Deputado federal fez indicação ao Ministério de Minas e Energia para que país não desperdice potencial energético do sol, começando pelos serviços públicos

Um dos países com maior potencial de energia solar do mundo, o Brasil ainda aproveita muito pouco a incidência quase ininterrupta dessa fonte energética sustentável em seu território. Pensando nisso, o deputado federal Severino Ninho sugeriu, ao Ministério de Minas e Energia (MME), a ampliação do uso da energia do sol, por meio da adoção de medidas eficazes para sua maior exploração.

Além da priorização da energia solar nos prédios, o deputado indicou a inclusão da geração solar nas edificações construídas nos programas de habitação popular, como o Minha Casa Minha Vida. “Nossa ideia é que se comece a usar a energia originada do sol em hospitais, universidades, escolas, unidades do Minha Casa Minha Vida, órgãos públicos, entre outros. Também sugerimos a concessão de incentivos tributários que fomentem a fabricação e aquisição dos sistemas solares de instalação, inclusive financiamentos de baixo custo para a compra desses sistemas”, conta Severino Ninho.

O deputado afirma que, todos os anos, o regime hidrológico, nos períodos de seca, fica em situação desfavorável. “Nessa época, o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas alcança patamares preocupantes, o que faz com que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aumente a tarifa. A Aneel  diz que a necessidade de compensar a geração hidráulica prejudicada pela falta de chuvas leva ao uso de usinas térmicas, bem mais caras para operar, o que acarreta o acréscimo na conta do brasileiro”, explica Ninho. A usinas térmicas queimam combustíveis fósseis e possuem custo de geração elevadíssimo, praticamente R$ 700 por megawatt-hora.

“E o consumidor brasileiro paga por isso. É incompreensível, porque o Brasil dispõe da fonte solar, inesgotável e sempre disponível. Localizado na região intertropical, é claro que o Brasil possui grande potencial para o aproveitamento de energia solar durante o ano todo”, reforça o parlamentar. “É interessante porque, onde há menor irradiação solar no Brasil, que é no litoral norte de Santa Catarina, ainda temos mais sol do que no lugar da Alemanha em que a incidência é maior.  Este país é referência mundial no aproveitamento de energia solar para a produção de energia elétrica”, diz Ninho.

Segundo o deputado, o custo da tecnologia solar não é mais um empecilho a seu aproveitamento, porque os avanços tecnológi