Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

1ª Etapa do Campeonato de Orientação de Pernambuco (CAMPORI)

Neste fim de semana (26 e 27 de maio) haverá a 1ª Etapa do Campeonato de Orientação de Pernambuco (CAMPORI) em Igarassu. 






Plenário aprova afixação de cartazes em ônibus intermunicipais para prevenir assédio sexual


O Plenário acatou por unanimidade o substitutivo ao Projeto de Lei nº 1852/2018, do deputado Adalto Santos (PSB), que obriga a colocação de cartazes em ônibus intermunicipais para prevenir o assédio sexual. Durante a discussão da matéria, o deputado Edilson Silva (PSOL) apoiou a iniciativa, mas lamentou que a Assembleia tenha vetado a inclusão de debates sobre violência contra a mulher nas escolas em 2015, quando foi apreciado o Plano Estadual de Educação. O deputado Pastor Cleiton Collins (PP) rebateu o psolista. 

Projeto melhora hábito alimentar de alunos de escolas públicas

Programa estimula alunos a experimentarem alimentos que até então recusavam e ajuda a ampliar seus gostos e acessos a nutrientes variados


Experiências bem-sucedidas em 15 escolas públicas de São Paulo serão apresentadas durante o 39º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo - Socesp, que reunirá mais de sete mil cardiologistas na capital paulista durante o feriado de Corpus Christi.

Do desejo de conscientizar professores e alunos sobre as doenças cardiovasculares, uma das principais causas de mortalidade no Brasil, nasceu em 2018, o "Projeto Coração Saudável", parceria entre a Socesp e a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Hoje, cinco meses após o início da parceria, já é possível perceber os primeiros frutos. Exemplo disso são os projetos "Alimentação Saudável: Como aumentar o consumo da alimentação escolar", da Escola Estadual Fortunato Pandolfi Arnoni, em Mauá; "Coração Saudável", da Escola Estadual Reverendo Atael Fernando Costa, em Diadema; e "O sabor da Vida", da Escola Estadual Itajahy Feitosa Martins, em Itapevi.

Três projetos importantíssimos e que estão mudando a rotina dos alunos do 1º ao 5º ano, que não se interessavam pela alimentação servida na escola e que recorriam a lanches pouco saudáveis, como doces, biscoitos recheados, chocolates e salgadinhos.

O índice de obesidade e sobrepeso entre os alunos vinha crescendo a cada ano e, paralelamente, o aumento do consumo de alimentos processados e ultraprocessados também. Para mudar esse quadro, a Socesp, empenhada em reduzir a mortalidade por doenças cardiovasculares, firmou parceria a fim de promover a educação alimentar dos alunos, por meio do maior conhecimento sobre os alimentos que consumiam.
As escolas puderam escolher a melhor metodologia para desenvolver o projeto, sendo que tinham como único objetivo desenvolver situações de ensino que estimulassem a reflexão sobre a importância da qualidade da vida e prevenção das diversas doenças provenientes da má alimentação e sedentarismo.

De acordo com o presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, Dr. José Francisco Kerr Saraiva, o programa "Alimentação Saudável", é coordenado através da parceria entre a Socesp e Secretaria do Estado da Educação de São Paulo e visa ampliar as ações de prevenção na rede estadual de ensino e conscientizar os alunos sobre os fatores de riscos cardiovasculares que estão diretamente ligados à alimentação.
"A Socesp atua fortemente, capacitando e orientando professores, preparadores de merenda e dirigentes escolares, no intuito de desenvolver ações conjuntas de cooperação e intercâmbio de informações, concentradas na promoção da conscientização dos alunos da rede estadual de ensino, visando à prevenção de doenças cardiovasculares", salienta Saraiva.

O projeto está sendo executado em 11 escolas na Região Metropolitana e tem sua expansão prevista, em 2018, para mais 16 estabelecimentos no Interior e Litoral de São Paulo.
SERVIÇO 39º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado Transamérica Expo Center -- Av. Dr. Mário Av. Dr. Mário, 387 – Santo Amaro
De 31 de maio a 2 de junho
Horário: 31/05 – das 8h30 às 19h
01/06 – das 9h às 19h
02/06 – das 9h às 14h30

CPI: Fernando Bezerra destaca que “parcelado sem juros engana consumidor” e taxas de grandes redes varejistas são “extorsivas”


Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões de Crédito, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) chamou a atenção, nesta quarta-feira (23), para a cultura do chamado “parcelado sem juros” no Brasil. Durante audiência pública na CPI, o parlamentar também destacou o que ele considera “juros extorsivos” praticados por grandes redes varejistas em financiamentos com taxas que chegam a 800% ao ano.
“O ‘parcelado sem juros’ é uma verdadeira ‘jabuticaba’ brasileira, que não existe em nenhum outro lugar do mundo”, ressaltou Fernando Bezerra. Na avaliação do senador, é necessário fazer a real distinção do que é venda à vista e do que é a prazo, garantindo-se desconto verdadeiro a quem optar pela aquisição à vista e cobrando-se juros adequados àqueles que desejarem comprar em prestações. “Estes parcelamentos ditos ‘sem acréscimo’ são uma forma de enganar o consumidor porque, como sabemos, ali está embutida uma parcela de juros bastante elevada”, acrescentou Bezerra Coelho.
Participaram do debate de hoje, no Senado, o conselheiro do Instituto do Desenvolvimento do Varejo (IDV), Jorge Gonçalves Filho; e a analista de Relações Institucionais e Governamentais da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do SPC Brasil, Bianca Paula Robles. Durante a audiência – conduzida pelo senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) – Fernando Bezerra evidenciou dados do Banco Central (Bacen) que revelam os maiores juros praticados por instituições operadoras de cartão de crédito.
REDE VAREJISTA – Segundo relatórios do Bacen, grandes redes varejistas cobram taxas que vão de 500% a 800% ao ano, superando os índices médios na rede bancária (entre 350% e 400% ao ano). “São juros abusivos”, observou Fernando Bezerra. “É necessário que estas práticas sejam revistas”, completou o relator.
Para Jorge Gonçalves Filho, do IDV, o varejo precisa ter custos menores tanto para o lojista como para o consumidor. Ele defendeu a revisão do reembolso aos varejistas nas vendas com cartão de crédito na modalidade “rotativo” e um limite de pagamento (pelos lojistas) de R$ 0,20 por transação eletrônica nas comercializações com cartão de débito.
“O Brasil precisa se adequar ao mundo”, afirmou Gonçalves Filho. O conselheiro do IDV ainda ressaltou: “um menor custo do crédito para o varejista representa, consequentemente, um menor custo para o consumidor, além de uma maior oferta de empregos no comércio”.
A analista Bianca Robles também enfatizou a necessidade de diminuição dos juros do crédito no país. “Custos são sempre repassados pelos lojistas aos consumidores”, disse.
Ao demonstrar os efeitos das altas taxas dos cartões rotativos – que praticamente dobram uma dívida de R$ 1.000 parcelada em 12 vezes – Robles emendou: “O dinheiro dos juros que o consumidor paga poderia ser gasto por ele no comércio, o que resultaria no aquecimento da economia local”.
Esta foi a terceira audiência pública realizada pela CPI dos Cartões de Crédito. O quarto debate ocorrerá no próximo dia 30, no Senado, com a participação de representantes dos principais bancos públicos e privados que atuam no país.