Curta o Paulista Atualizado no facebook e receba todas as nossas atualizações!

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

Falta de chuva reduz nível da Barragem Botafogo e calendário de abastecimento é alterado

O registro de chuvas abaixo da média histórica, nos últimos dez anos, não tem colaborado pela manutenção de bons níveis das da Barragem de Botafogo, uma das principais fontes hídricas do Sistema Botafogo que abastece as cidades de Olinda, Paulista, Igarassu e Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife. Hoje, a Barragem de Botafogo, localizada no município de Igarassu, está com menos de 18% da sua capacidade total de armazenamento, que é de 27,5 milhões de metros cúbicos de água. Esse nível já é considerado crítico quando comparado com o mesmo período do ano passado, quando  o volume  máximo acumulado  era de 28,68%. Diante desse cenário e como medida preventiva para preservar a vida útil desse manancial, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) anunciou que a partir de amanhã (19), o rodízio de fornecimento de água  em áreas das quatro cidades  será ampliado de um dia com água e cinco sem, para um dia com água e seis sem o abastecimento. O novo calendário estará disponível  a partir de amanhã (19) para consulta no site www.compesa.com.br e informações pelo 0800 081 0195 ( áreas afetadas no final do texto).




O impacto da falta de chuvas nos mananciais e o reflexo no abastecimento das cidades da RMR  foram detalhados  por Rômulo Aurélio Souza e Simone Albuquerque, que respondem respectivamente pelas diretorias Técnica e de Engenharia e Regional Metropolitana da Compesa, durante coletiva realizada, nesta sexta-feira (18), na sede administrativa da empresa, no bairro de Santo Amaro. Também participou da coletiva o gerente de Meteorologia e Mudanças Climáticas da APAC (Agência Pernambucana de Águas e Clima), Patrice Oliveira. Ele lembrou que, desde 2012, o Estado enfrenta uma grande seca que avançou do semiárido para o Litoral e se caracteriza por chuvas acumuladas que variam de normal a abaixo da média histórica, além de apresentarem distribuição irregular. A última vez que a Barragem de Botafogo sangrou ( verteu) foi em agosto de 2011 e, antes disso, nos meses de junho, julho e agosto de 2009.

Com a Barragem de Botafogo em situação de pré-colapso, a Compesa precisou reduzir captação no manancial de 300 para 70 litros de água, por segundo, o que afetou diretamente a produção do Sistema Botafogo, reduzindo o volume total de água tratada para distribuição da população, de 1.130 para 900 litros de água, por segundo.  “Essa medida de redução da captação é essencial para dar sobrevida ao reservatório, para que ele chegue na quadra chuvosa  em condições favoráveis de recuperação”, disse Rômulo Aurélio de Souza informando que além da barragem, o Sistema Botafogo é alimentado por outros mananciais, cujas captações – à fio d’á